Aproximar-se sobre letras

Introduccion a los Fondos Comunes de Inversion (FCI)

2020.10.17 05:21 HwanZike Introduccion a los Fondos Comunes de Inversion (FCI)

Introduccion a los Fondos Comunes de Inversion (FCI)

Que es un FCI?

Es un instrumento de inversion que se permite que varios inversores se agrupen bajo un mismo objetivo de inversion, poniendo el capital en un fondo común (de ahí el nombre) y delegando su gestión a una administradora. Los atributos y términos mas importantes que tenemos que entender son:
- Sociedad gerente: la empresa que se encarga de administrar el fondo. Que significa administrar el fondo? Lo mas importante es la gestión de los activos del fondo en pos de seguir la estrategia del fondo. Por otro lado, también se encarga de toda la parte "burocrática" del fondo, como atender los pedidos de entrada/salida de dinero al fondo
- Cuotapartistas: son los inversores que participan en el fondo. Se los denomina de esta manera porque cada vez que uno suscribe capital a un fondo, obtiene a cambio de su dinero una cantidad de cuotapartes. El ratio de conversion entre dinero/cuotaparte se hace en función del valor de cada cuotaparte, valor que se actualiza cada dia, al cierre del ejercicio. Entonces, por ejemplo, si la cuotaparte de un fondo es de $50, si nosotros suscribimos $1000, se nos va a dar 20 cuotapartes.
La contracara de esta operación es, dada una cantidad de cuotapartes, si queremos retirar nuestra inversion, realizamos un rescate: asi cambiamos nuestras 20 cuotapartes por el equivalente en pesos de la cuotaparte en ese momento. Siguiendo con nuestro ejemplo, si la cuotaparte al momento de la liquidación del rescate estuviese valuada en $60, al intercambiar nuestras 20 cuotapartes, obtendríamos $1200, dándonos una ganancia de 20% o $200 nominales.
En este caso dimos el ejemplo con una cuotaparte en pesos, pero nos podemos encontrar con fondos que admiten cuotapartes en dolares. Para ellos, las suscripciones/rescates se realizan en dolares.
- Plazo de rescate: ya que estamos hablando de rescates, tenemos que tener en cuenta que cada fondo tiene su plazo de rescate. Estos pueden variar desde inmediatos (o cuasi inmediatos dependiendo de donde operemos el fondo) lo que significa que ni bien solicitamos el rescate obtenemos el dinero (o cuando abra el banco durante el dia hábil), o pueden tener entre 1 y 5 dias hábiles de demora. En general, cuanto mas riesgosa es la estrategia del fondo, mayor es el plazo de rescate. Un detalle de la nomenclatura de los plazos de rescate es que generalmente se dice T+0 para inmediatos, T+1 para 1 dia (o 24hs), T+2 para 2 dias (o 48hs) y asi sucesivamente.
- Estrategia y benchmark: el fondo en general se constituye con la idea de intentar ganarle a algún benchmark, alrededor de una estrategia particular, que se detalla en el reglamento de gestión del fondo. Los benchmarks pueden ser variados, como el indice S&P Merval para un fondo de renta variable, la tasa de plazos fijos para un fondo de mercado de dinero. Esto va a determinar los activos que va a tener mayormente el fondo, el plazo de rescate, el rendimiento histórico, esperado.

Tipos de FCIs

Primero podemos hacer dos grandes distinciones, los fondos que invierten en pesos y los que invierten en dolares. Hoy en dia, los FCIs en dolares suelen tener instrumentos dolarizados de tres tipos:
- Renta fija soberana en USD
- Renta fija subsoberana (provincial, corporativa - ONs)
- Renta fija LATAM (países del Mercosur + hasta 25% USA)
Cual de estos preferimos va a depender de donde querramos posicionarnos, si queremos riesgo argentino o no (aunque el riesgo regulatorio argentino siempre esta presente). Por ejemplo, un FCI de bonos chilenos/brasileros al dia de hoy puede tener retornos esperados de entre 2% y 4% anual. En cambio un FCI de ONs USD argentino puede tener rendimientos anuales esperados mas cercanos a 6%-8%. Los plazos de rescate suelen ser entre T+2 y T+5 debido a la operatoria extra que tienen que hacer estos fondos al operar en el exterior y tener que incluir cambios de monedas.
Dejando los FCIs en USD de lado, podemos hacer las siguientes grandes categorias para los FCIs en pesos:
Money-market o mercado de dinero
Son fondos que suelen invertir en cauciones/plazos fijos y cuentas a la vista, con plazos de rescate inmediatos (T+0). Son muy poco volátiles: al invertir en instrumentos tan seguros como los mencionados, prácticamente no bajan nunca el valor de su cuotaparte. La idea es usarlos para el cortísimo plazo, en vez de tener la plata liquida. Por ejemplo, si cobramos el sueldo el primero del mes y tenemos el vencimiento de la tarjeta el 10 del mes, en vez de adelantar el pago de la tarjeta, podemos colocar la plata en un FCI MM el dia que cobramos y rescatar el 10, pagar y quedarnos con la diferencia de rendimiento. Esto no seria posible con un plazo fijo, y seria especulativo con otro tipo de inversiones. En cambio con este FCI estamos prácticamente garantizados de sacarle una ganancia, aunque sea minima. No suele haber mucha diferencia entre estos fondos en términos de rendimientos ya que se rigen por las tasas de las cauciones y plazos fijos mayoristas, asi que lo mas común es simplemente usar el FCI que tengamos disponible en el mismo banco donde tenemos nuestra caja de ahorro. Veamos un gráfico del rendimiento de un FCI de este estilo:

MEGAINVER LIQUIDEZ PESOS A
Como podemos ver, el fondo no tuvo dias negativos y es muy estable en su crecimiento. Esa baja volatilidad del riesgo trae aparejado los bajos rendimientos, en este caso ~19% YTD.
Algunos FCIs MM tratan de darle un boost al rendimiento incorporando algún activo un poquito mas rendidor en baja proporción. Suelen indicarlo en el nombre con cosas como "PESOS PLUS" o "LIQUIDEZ PLUS". Esta estrategia puede salir mal porque el fondo esta tomando mas riesgo para aumentar el rendimiento y en general es una mala idea, porque los MM se usan para corto plazo y con poco dinero asi que unos puntos mas de rendimiento no nos van a cambiar mucho aunque podría ser benficioso para grandes empresas depositando la plata antes del pago de los sueldos por ejemplo, donde los montos son grandes.
Algo de este estilo le paso al fondo de MercadoPago, que tenia buen rendimiento y liquidez porque combinaba instrumentos como letras del tesoro, con rendimiento superior a los plazos fijos. Pero un dia las letras se defaultearon y cayó su precio. Como el fondo tenia una proporción de letras en sus tenencias, la valuación de la cuotaparte ese dia cayó también, sorprendiendo a mucha gente que al día de hoy se queja de que MercadoPago la estafó, cuando estaba mas que aclarado que la cuenta remunerada de MercadoPago no garantizaba rendimientos positivos. Otros ejemplos de cuentas remuneradas "automaticamente" (con un FCI MM en el detrás de escena) son la billetera de Ualá o la cuenta automática de IOL. Hoy por hoy, vemos que el fondo de Mercado Pago unicamente tiene los activos en cuentas remuneradas, cauciones y plazos fijos, con un rendimiento YTD de ~17%.
Fondos de renta fija - cobertura, ahorro, patrimonio
En este plano tenemos variantes dependiendo de la posición que adopte el fondo. Suelen ser fondos que tienen un mix de títulos soberanos y/o cobertura con futuros de dolar. La idea de estos fondos es intentar defender el poder adquisitivo en pesos, variando entre estrategias posicionadas en dolar (tipo dolar linked, o futuros de dolar) o bonos ajustados por CER (inflación). También pueden tomar posición en instrumentos en dolares, en una pequeña proporción. Dentro de estas distintas estrategias, los fondos pueden ser mas o menos agresivos en su estrategia, optando por instrumentos de renta fija de menor o mayor rendimiento/duration, lo que los hace mas volátiles y asi mas riesgosos. Suelen tener plazos de rescate T+1 o T+2, incluso T+3. El benchmark suele ser el dolar oficial o la inflación. Vamos a ver algunos ejemplos:

GALILEO AHORRO A - T+1: este fondo tiene baja volatilidad, mezcla su estrategia con un componente de bajo riesgo incluyendo FCIs de MM en su cartera y letras de muy corto plazo. El rendimiento refleja su baja volatilidad: 26% YTD

CONSULTATIO RENTA FIJA A - T+2: fondo mas volátil, con mayoría de instrumentos de cobertura contra dolar y un porcentaje de CER. Rendimiento YTD: 61%
Fondos de renta variable
Invierten en acciones argentinas, tanto del panel general como el líder, dependiendo de la estrategia. Su benchmark es el S&P Merval 25. En general es difícil separarlos porque ninguno es muy claro en su estrategia, pero esencialmente la perilla que pueden tunear es que proporción eligen de cada acción en la cartera, enfocándose en empresas o sectores que se espera van a tener mejor rendimiento que el mercado. Suelen ser de muy alto riesgo.

GALILEO ACCIONES A - Rendimiento YTD: 19%. Vemos las violentas fluctuaciones

Otros tipos de fondos
- Corporativos/Infraestructura: invierten exclusivamente en deuda corporativa
- Dolar linked: buscan "apostar" exclusivamente a la devaluación del tipo de cambio
- Cobertura (contra CER): suelen intentar cubrirse de la inflación mediante bonos CER
- Retorno total: no tienen una estrategia definida y van variando dependiendo de que es lo que el gerente asume es lo mas conveniente para el momento. Tampoco tienen un benchmark muy claro. Suelen tener alto riesgo.
- Renta mixta: suelen combinar renta variable con renta fija

Otros detalles

Mínimo de suscripción
Todos los fondos tienen un monto minimo de suscripción, para garantizar rentabilidad del fondo y minimizar costos. En general los mínimos pueden ser bajos como $1000 o 100 USD, o mas altos como $5k, $20k o 1k USD.
Distintas clases para el mismo fondo - A, B, C, D...
Los fondos suelen tener distintas clases. No es algo de los que debamos preocuparnos porque en general solo aplicamos para una clase y es la que se nos hace disponible, como inversores minoristas y personas físicas. Igual es interesante saber por qué existen distintas clases del mismo fondo. No hay una regulación definida para nomenclar, pero en general las distintas clases se corresponden a diferentes distinciones, como sean si es para personas físicas o jurídicas, dependiendo del el monto con el que suscribimos (para separar inversores grandes de chicos, suelen pueden tener diferencias en rendimiento aunque pertenezcan al mismo fondo porque se aplican honorarios diferenciales), clases para empleados del fondo, etc.
Sobre rendimientos historicos
Rendimientos pasados no garantizan rendimientos futuros. Que significa esto? Que la estrategia del fondo le puede haber resultado muy bien durante un periodo de tiempo reciente en el pasado, pero no tenemos garantía de que siga rindiendo así a futuro. Es muy importante evaluar muy bien el fondo en su conjunto, con todos sus atributos. El rendimiento historico puede ser un buen proxy para que tan riesgoso es un fondo, si miramos la volatilidad historica en conjunto con el plazo de rescate y la estrategia del fondo. Veamos un ejemplo:
ALLARIA DOLARES PLUS A. YTD: -13% (USD)
Este fondo invierte exclusivamente en deuda soberana en USD. Si en Agosto nos hubiesemos guiado por el rendimiento de los meses anteriores, donde hubo un rally espectacular de mas de +50% en USD en un lapso de 3-4 meses, nos hubiesemos llevado una desagradable sorpresa al dia de hoy, estando por lo menos -10% abajo. Para analizar este fondo, debemos tener en cuenta, entre otras cosas, su estrategia (y por ende su cartera), para saber a que riesgos nos estamos exponiendo: en este caso, principalmente al riesgo pais.
CONSULTATIO DEUDA ARGENTINA A. YTD: 98%
En el caso de CONSULTATIO DEUDA ARGENTINA, vemos que hubo un rendimiento cercano al 100% desde principio de año hasta agosto. De nuevo, nos podríamos haber dejado llevar por estos rendimientos pero inspeccionando la cartera y viendo las tasas y paridades de los bonos en la cartera, nos hubiesemos dado cuenta que es imposible que el fondo vuelva a rendir tanto en tan corto plazo, ya que el altísimo rendimiento se debió a una compresión de paridades desde el 50% hasta encima del 100% una vez que se confirmó con el paso del tiempo que no iba a haber default de los bonos en pesos.

En este grafico podemos ver las diferencias de rendimiento entre fondos, asi como la diferencia de volatilidad. Los fondos para perfiles mas agresivos suelen dar mayores ganancias pero tener mas volatilidad y viceversa.
Honorarios
Son las comisiones que cobran la sociedad gerente y la sociedad depositaria (la encargada de mantener y garantizar el dinero del fondo, suelen ser bancos). Suelen estar entre 1% y 3% (anual) en total. Se desprende que a menores honorarios, mas plata para el cuotapartista, asi que debemos prestar atención cuando comparamos fondos dentro de la misma estrategia, para ver cual nos conviene.
Las comisiones se toman sobre los activos totales del fondo cada dia antes del calculo de la cuotaparte, por lo que ya están incluidas en la valuación de la cuotaparte. Esto quiere decir que las cuotapartes que uno tiene ya "incluyen" las comisiones. En general la operatoria de FCIs suele no tener ningún tipo de gastos extra u ocultos. Aunque si es probable que tengamos que pagar impuesto a renta financiera y/o bienes personales.
Como se calcula la cuotaparte
En general cuando arranca el fondo, se determina el valor de una cuotaparte arbitrariamente a un valor, como por ejemplo $1. Como las cuotapartes practicamente se pueden subdividir con cualquier cantidad de decimales, es irrelevante el valor de una sola cuotaparte. Luego, al cierre de cada dia se calcula el valor del patrimonio del fondo (la suma de valor de todos los activos en cartera). Como la cantidad de cuotapartes es fija, la variacion del dia anterior al cierre del dia es la variacion porcentual del valor de cada cuotaparte.
Para dar un ejemplo simplificado: supongamos que tenemos un FCI de renta variable que arranca con $100 de GGAL y $100 de YPF (en la practica estarian mas diversificados) y 200 cuotapartes de $1 cada una. Si suscribo $100 pesos, es equivalente a 100 cuotapartes. Ahora el fondo tiene 300 cuotapartes, distribuye mis $100 aprox en la misma distribucion que tenia original, alcanzando una cartera de $150 GGAL $150 YPF. Al dia siguiente, GGAL sube un %10 e YPF no varia su precio. Ahora el valor total del fondo paso de $300 a $315 = $165 GGAL $150 YPF. Diviendo por las 300 cuotapartes, el valor por cuotaparte ahora es $1.05 y ganamos un 5%. Otra manera de verlo es que la variacion porcentual de la cuotaparte va a ser el promedio ponderado por capital de cada uno de los instrumentos.
Rescates
Cuando rescatamos un fondo podemos elegir 3 modalidades:
- Rescate total**:** se solicita para liquidar la totalidad de las cuotapartes
- Rescate parcial por cuotapartes: se solicita liquidar una cantidad dada de cuotapartes
- Rescate parcial por dinero: se solicita liquidar dada una cantidad de dinero, dejando a criterio del fondo el calculo de la cantidad de cuotapartes necesarias a liquidar para aproximar la suma a rescatar. Es util para rescatar montos fijos, cuando no sabemos el valor que va a tener la cuotaparte al momento de rescate (cosa que si sabe el fondo cuando efectiviza el rescate).
Vale aclarar que los rescates se suelen efectivizar el dia hábil anterior al ultimo dia del plazo de rescate, que es cuando se liquidan. Para poner un ejemplo, si estoy en un Fondo T+2 y solicito un rescate un Lunes (antes de que cierre el periodo de rescates para ese dia, generalmente pasado el mediodía), el Miércoles a primera hora del mercado voy a tener mi dinero, pero el intercambio de mis cuotapartes por dinero se va a realizar al valor de cierre del Martes (y no la del dia que pedi el rescate!)
Cuotapartes en dolares
Una cosa que hay que tener en cuenta es que los fondos que invierten principalmente en USD suelen tener la cuotaparte en dos tipos de dolares: dolar billete (o MEP) o dolar divisa (o CCL). En general hay que tener mucho cuidado al suscribir a estos fondos porque si bien muchas veces no vamos a poder operarlos si no intentamos suscribir con el mismo tipo de dolar que la cuotaparte, también puede pasar que el fondo haga la conversion automática. Que significa esto? Que tal vez podemos suscribir a un FCI con cuotaparte en dolar divisa con dolar billlete, resultando en una conversion implícita que significa que vamos a recibir menos cuotapartes, en función de la brecha entre MEP y CCL. Para poner un ejemplo, si suscribimos 1000 dolares billete a un FCI con cuotaparte valuada en 100 USD divisa, NO vamos a obtener exactamente 10 cuotapartes, porque primero el fondo debe convertir esos 1000 dolares en divisas, pasando por la brecha MEP/CCL que puede rondar entre 2-3% o extremos como 8%. La misma operación pero al revés sucede cuando rescatamos, pero en ambos casos no sabemos a cuanto va a estar la brecha entonces podemos perder (o ganar) dinero independientemente de la performance de la cuotaparte en si.
Mas informacion
CAFCI - Camara Argentina de FCIs: el ente regulador de los FCIs, junto con las regulaciones de la CNV. Aqui podemos encontrar un listado de todos los fondos, entrar a ver información actual e histórica de los fondos, la composición de su cartera, performance y todas las cosas que fui detallando.
Criptoya charts: pagina para comparar rendimientos históricos de distintos FCIs, incluyendo varios benchmarks.
Discord no oficial: en el canal de #fci se puede discutir, pedir asesoramiento o inspeccionar distintos fondos haciendo uso de un bot que nos permite hacer distintas consultas a la base de CAFCI mas fluidamente. Por ejemplo:
Ejemplo de comando $fci para el fondo Balanz Capital Renta Fija A

Donde operarlos
En general los bancos tienen sus propios FCIs que podemos acceder desde el homebanking. Otra manera de operar FCIs es desde brokers que ofrecen estos servicios (PPI es conocido por tener mucha variedad, IOL, BMB, Balanz también tienen muchos fondos) o directamente desde la pagina de la administradora del fondo.

Ventajas y desventajas

Como vimos, hay muchos tipos de FCIs distintos. Mas allá de la estrategia podemos igual dar los siguientes pros y contras generales:
  • Pro: permite realizar una estrategia sin tener que gestionar activamente. Para el cuotapartista la inversion es pasiva, suscribo y "me olvido". Algunos FCIs requieren mas seguimiento que otras pero en general no vamos a tener que estarle tan encima, ni necesitar el conocimiento, etc.
  • Pro: permite invertir en instrumentos de difícil acceso para el inversor minorista. Por ejemplo, inversiones en el exterior, instrumentos de baja liquidez o de alto tecnicismo/mínimos altos como futuros o letras/ONs
  • Contra: tenemos menos agilidad para disponer de nuestro dinero, estando atados a los plazos de rescate
  • Contra: tenemos menos control sobre nuestro dinero, si el fondo se va por una estrategia que resulta ser mala lo mejor que podemos hacer es rescatar. Es "todo o nada", si lo comparamos con una estrategia activa donde podríamos ajustar algunas perillas
  • Pro: muchas veces se pude invertir directamente desde el homebanking, sin tener que pasar por un broker
  • Contra: los rendimientos pueden ser menores debido a los honorarios o a mala performance de la estrategia del fondo (es decir, por debajo del benchmark).
  • Contra: riesgo regulatorio; los FCIs suelen ser blanco fácil a nuevas regulaciones cuando el gobierno de turno esta en crisis
Espero que les sea util! Si surgen mas cosas voy agregando, avisen si algo no quedo claro o si les gustaria agregar algo.
submitted by HwanZike to merval [link] [comments]


2020.01.18 21:28 cardosothiago O meu desabafo dói

Sempre deixei minhas feridas abertas para que minha familia pudesse ver, lembro que alguns anos atrás eu nao conseguia tomar café, por que eu sentia ansiedade e descontrole, então qualquer café pela manhã me dava muita ansiedade. As vezes eu pude ver que meu pai nunca ligou pra isso, ou ate mesmo nunca tive um incentivo dentro de casa (nunca existiu) , tudo que eu tive foi uma resposta pessimista e sempre uma desculpa pra tudo, e quando eu me descontrolava eles vinham me consolando, mas a única vez que eu mereci desculpas foi quando meu pai apontou a faca pra mim e disse que iria arrancar o meu pescoço, estive errado, por que eu gritei e xinguei ele. (Eu denunciei isso) Mas sempre pq meu sentimento grita, eu ja corri atras de muita coisa, ja tentei varias coisas e ganhei dinheiro, aliás, poderia gritar quantas vezes fosse preciso, eu sei que minha familia amou ver eu berrar e contar tudo, ver minhas crises, eu deixei claro, ja fiz testao na net, varios amigos e sempre bati na porta do espirito dizendo: nesse sentimento que estou afogado nao tem ninguém. Quanto mais eu imploro por afeto, nao tem ninguem na familia que dividiu algo, nunca tive isso de abraço, eu te amo. Só uma pressão eles quererem colocar meus sentimentos num boneco e ver eu berrar toda as vezes que eles apertarem, manipulação emocional e pressão. Digo com todas as letras minha familia alfinetou meu sentimento, durante tanto tempo pude perceber que não era eu o errado, mas sim oque eu entreguei, tentei me aproximar do meu pai mesmo morando com ele varias vezes, das minhas irmãs, mas toda as vezes que eu ia contar dos meus sentimentos eles tomavam governo sobre mim, mas nunca ouve reciprocidade de nada, eles sempre transparecem segurança total sobre isso.
Eles aproveitam o tempo possivel, eu ja tive varios episodio de loucura, fugi de casa, fiquei sem entender nada varias vezes, com muito medo. E depois a impotência veio e eu me levantava toda ás vezes
Por tantas das vezes que eu achava que ainda podia contar com minha mãe, nao eram os melhores conselhos do mundo ou a resposta que eu precisasse ouvir. Hoje eu ja aceitei todos como são, sei que o tempo pode vingar, sei que ja superei.
Pude sentir na minha alma como tudo isso estava me deixando com ódio, foi muita coisa a mais nesses 24 anos de idade, hoje eu só vejo zumbis nos corpos da minha familia e existe uma coisa muita forte ne mim hoje que, mesmo que eles mudassem como são, nada irá tirar as marcas de tanta estorçao, nunca correram atrás de nada para mim, eu lembro quando estava tirando minha identidade com 12 anos ja andava em vários lugares, era uma vontade muita grande de viver.
Eles souberam apertar meu botão do descontrole durante todos esses anos, mas hoje eu assumo o controle do meu interior. Eu fiquei com o papel de louco, sempre tiraram minha razão pra tudo.
Hoje em dia nao tenho motivos pra me expressar ou falar, chega de ser julgado, eu posso ser milionário um dia e ser feliz em qualquer parte desse mundo. Mas foi impossível ter tido o que eu queria que era um abraço, hoje eu sei que as pessoas tem prazer em fazer e ver as outras sofrerem
O que eu carrego hoje no meu peito é a liberdade do narcisismo. Eu busquei por muito tempo que aquelas sessões de tortura era falta de entendimento
Eu carrego em mim hoje os meus sentimentos e nada do que eu tive coisas que o dinheiro nunca vai pagar. Carrego o silêncio mortal pelos cómodos da minha casa
Fui assassinado muitas vezes por carregar profundidade, sentimento... Dentro e fora de casa.! E percebo que as pessoas estão fugindo dessa zorra, ou fingindo nao ter nada por dentro
Nao era minhas estratégias eram minhas vulnerabilidades, hoje eu percebo que se eu fizer barulho de felicidade vao querer roubar, é por que é com a alma. Mas estou no razo outra vez
submitted by cardosothiago to desabafos [link] [comments]


2019.12.18 01:45 ssantorini Relato da captura do imperador inca Atahualpa por Francisco Pizarro, feito por 6 espanhóis de sua comitiva, incluindo seus irmãos Hernando e Pedro. Vale a pena ler!!!

“O governador Pizarro desejava obter informações de alguns índios de Cajamarca e, para isso, recorreu à tortura. Eles confessaram ter ouvido que Ataualpa estava esperando o governador em Cajamarca. O governador então ordenou que avançássemos. Quando chegamos à entrada de Cajamarca, vimos o acampamento de Ataualpa a uma légua de distância, junto às montanhas. O acampamento dos índios parecia uma cidade muito bonita. Eles tinham tantas tendas que fomos invadidos por uma grande apreensão. Até então, nunca tínhamos visto nada parecido nas Antilhas. Nossos espanhóis ficaram com medo e confusos. Mas não podíamos demonstrar medo ou voltar, pois se os índios percebessem qualquer fraqueza em nós, até mesmo aqueles que nos acompanhavam como guias, teriam nos matado. Então, demos uma demonstração de coragem e depois de observar cuidadosamente o lugarejo e as tendas, descemos o vale e entramos em Cajamarca. “Conversamos muito entre nós sobre o que fazer. Estávamos com medo porque éramos tão poucos e tínhamos ido tão longe que não podíamos esperar receber reforços.
Reunimo-nos com o governador para debater o que deveríamos fazer no dia seguinte. Poucos de nós dormiram naquela noite, pois ficamos observando a praça de Cajamarca e as fogueiras do exército indígena. Era uma visão assustadora. A maioria das fogueiras estava numa encosta e elas eram tão próximas umas das outras que pareciam o céu cheio de estrelas. Naquela noite, não havia distinção entre os poderosos e os humildes ou entre os soldados da infantaria e os da cavalaria. Todos os que estavam de sentinela permaneceram com todas as suas armas. O mesmo fez o bom e velho governador, que passou o tempo todo encorajando seus homens. O irmão do governador, Hernando Pizarro, estimou o número de guerreiros em cerca de 40.000, mas ele estava mentindo para nos encorajar, porque, na verdade, havia mais de 80.000 índios.
“Na manhã seguinte, chegou um mensageiro de Ataualpa e o governador disse a ele: ‘Diga a seu senhor para vir quando e como ele quiser e que, de qualquer maneira, eu o receberei como um amigo e irmão. Rezo para que ele possa vir depressa, pois desejo vê-lo. Nenhum mal vai lhe acontecer.’ “O governador ocultou suas tropas em torno da praça de Cajamarca, dividindo a cavalaria em dois grupos, um sob o comando de seu irmão Hernando Pizarro e o outro, de Hernando de Soto. De modo semelhante, dividiu a infantaria, assumindo o comando de uma parte e entregando o da outra a seu irmão Juan Pizarro. Ao mesmo tempo, ordenou a Pedro de Candia que fosse, com mais dois ou três homens da infantaria e suas cornetas, para um pequeno forte existente na praça e que se instalassem lá com uma pequena arma de artilharia. Quando todos os índios, Ataualpa entre eles, entraram na praça, o governador daria um sinal para Candia e seus homens, para que eles começassem a atirar e, ao som das cornetas, a cavalaria deixaria o amplo pátio onde estava escondida, de prontidão.
“Ao meio-dia, Ataualpa começou a alinhar seus homens e se aproximar. Logo vimos toda a planície cheia de índios, que paravam a intervalos regulares para esperar por mais índios que continuavam deixando o acampamento. Eles continuavam saindo em destacamentos separados durante a tarde. Os destacamentos da frente estavam agora perto de nosso acampamento e ainda havia mais tropas saindo do acampamento dos indígenas. Na frente de Ataualpa havia 2.000 índios, que abriam caminho para ele, seguidos pelos guerreiros, que marchavam em fileiras de cada lado dele.“Primeiro, veio um esquadrão de índios vestidos com roupas de cores diferentes, como em um tabuleiro de xadrez. Eles avançavam, retirando as palhas do caminho e limpando a estrada. Depois vinham três grupos com trajes diferentes, dançando e cantando. Então vinha um grupo de homens com armaduras, grandes escudos de metal e coroas de ouro e prata. Era tão grande a quantidade de ouro e prata em sua indumentária que era maravilhoso observar o reflexo do sol sobre ela. Entre eles vinha Ataualpa, em uma liteira muito elegante, com as pontas de madeira cobertas de prata. Oitenta senhores carregavam-no em seus ombros, todos vestindo librés azuis muito ricas. Ataualpa também estava ricamente vestido, com a coroa e um colar de grandes esmeraldas. Ele estava sentado num pequeno banco, ao lado de uma rica almofada. A liteira era forrada com penas de papagaio de várias cores e decorada com ouro e prata. “Atrás de Ataualpa vinham duas outras liteiras e duas redes, que acomodavam alguns chefes importantes, e vários esquadrões de índios com coroas de ouro e prata. Esses esquadrões começaram a entrar na praça entoando canções e foram ocupando cada espaço vazio. Enquanto isso, todos nós, espanhóis, esperávamos prontos, escondidos no pátio, cheios de medo. Muitos de nós urinaram sem perceber, em estado de absoluto terror.
Ao chegar ao centro da praça, Ataualpa permaneceu em sua liteira, no alto, enquanto as tropas continuavam a preencher o espaço em torno dele. “O governador Pizarro enviou então frei Vicente de Valverde para falar com Ataualpa e pedir que, em nome de Deus e do rei de Espanha, ele se submetesse à lei de nosso Senhor Jesus Cristo e ao serviço de Sua Majestade. Avançando com a cruz em uma das mãos e a Bíblia na outra, por entre as tropas indígenas, até o local onde estava Ataualpa, o frei então falou: ‘Sou um sacerdote de Deus e ensino aos cristãos as coisas de Deus e, da mesma forma, venho para ensinar a vocês. O que ensino é o que Deus nos diz neste livro. Portanto, da parte de Deus e dos cristãos, eu lhe imploro que seja seu amigo, porque este é o desejo de Deus, e para o seu bem.’
“Ataualpa pediu o livro, que queria ver, e o frei o entregou fechado. Ataualpa não sabia como abri-lo e o frei estava estendendo a mão para fazê-lo quando Ataualpa, com muita raiva, deu-lhe um golpe no braço, sem querer que fosse aberto. Então ele mesmo abriu o livro e, sem qualquer demonstração de surpresa com as letras ou o papel, atirou-o a uma distância de uns cinco ou seis passos, com o rosto extremamente vermelho. “O frei devolveu-o a Pizarro, gritando: ‘Saiam! Saiam, cristãos! Invistam contra esses cães inimigos que rejeitam as coisas de Deus. O tirano jogou no chão meu livro com a sagrada lei! Vocês não viram o que aconteceu? Por que continuar polidos e servis diante desse cachorro super orgulhoso enquanto as planícies estão cheias de índios? Marchem contra ele, porque eu os absolvo! ’
“O governador então fez sinal para Candia, que começou a atirar. Ao mesmo tempo, as cornetas soaram e as tropas espanholas, tanto a cavalaria quanto a infantaria, deixaram seus esconderijos, avançando diretamente sobre a massa de índios desarmados que lotava a praça, dando o grito de guerra espanhol: ‘Santiago! ’ Nós havíamos colocado matracas nos cavalos para aterrorizar os índios. Os estampidos das armas, o som das cornetas e as matracas nos cavalos deixaram os índios em verdadeiro pânico. Os espanhóis caíram em cima deles, cortando-os em pedaços. Os índios ficaram com tanto medo que subiam uns nos outros, amontoados e sufocados. Como estavam desarmados, foram atacados sem risco para qualquer cristão. A cavalaria passou por cima deles, matando, ferindo e perseguindo-os. A infantaria fez um ataque tão certeiro contra aqueles que ainda estavam em pé que em pouco tempo a maioria foi submetida à espada.“O próprio governador empunhou sua espada e sua adaga, entrou na massa de índios com os espanhóis que estavam com ele e, com grande bravura, chegou à liteira de Ataualpa. Sem medo, pegou o braço esquerdo dele e gritou: ‘Santiago! ’, mas não conseguiu tirá-lo da liteira porque ela era muito alta. Embora tivéssemos matado os índios que carregavam a liteira, outros imediatamente tomaram seus lugares e a mantiveram no alto, de modo que gastamos um bom tempo derrubando e matando índios. Finalmente, sete ou oito espanhóis a cavalo correram para a liteira e, com grande esforço, conseguiram tombá-la de lado. Assim Ataualpa foi capturado e o governador levou-o para seu alojamento. Os índios que carregavam a liteira e os que acompanhavam Ataualpa nunca o abandonaram: todos morreram em torno dele.
“Em pânico, os índios que restaram na praça, aterrorizados pelas armas e pelos cavalos — que nunca tinham visto — tentaram fugir derrubando uma parte do muro e correndo para a planície do outro lado. Nossa cavalaria pulou o muro derrubado e rumou para a planície, gritando: ‘Peguem os das roupas mais luxuosas! Não deixem nenhum escapar! Matem-nos com suas lanças! ’ Todos os outros guerreiros que Ataualpa havia trazido estavam a um quilômetro e meio de Cajamarca prontos para a batalha, mas ninguém fez qualquer movimento, e durante todo esse tempo nenhum índio ergueu uma arma contra um espanhol. Quando os esquadrões de índios que tinham ficado na planície fora da cidade viram os outros índios fugindo e gritando, também entraram em pânico e trataram de escapar. Era uma visão impressionante, porque todo o vale, cerca de 30 quilômetros, estava repleto de índios. A noite já tinha caído e nossa cavalaria continuava matando índios nos campos, quando ouvimos a corneta que nos convocava para voltarmos ao acampamento. “Se a noite não tivesse chegado, poucos dos mais de 40.000 índios teriam sido deixados vivos. Seis ou sete mil índios morreram e muitos mais tiveram braços cortados e outros ferimentos. O próprio Ataualpa admitiu que matamos 7.000 de seus homens naquela batalha. O homem assassinado em uma das liteiras era seu ministro, o senhor de Chincha, por quem ele tinha grande apreço. Todos aqueles índios em torno da liteira de Ataualpa pareciam ser chefes importantes e conselheiros. Todos foram mortos, assim como os índios que iam nas outras liteiras e redes. O senhor de Cajamarca também foi morto, entre tantos outros. O número de vítimas foi tão grande que era impossível contar,embora só houvesse grandes senhores em torno de Ataualpa. Foi extraordinário ver um governante tão poderoso ser capturado em tão pouco tempo, depois de surgir com um numeroso exército. Na verdade, não foi uma conquista de nossas próprias forças, pois éramos muito poucos. Foi pela graça de Deus, que é grande."

Fonte: Armas, Germes e Aço, de Jared Diamond
submitted by ssantorini to brasilivre [link] [comments]


2019.09.10 04:41 mgramigna4L A Rainha dos Desamparados

Pedro acorda assustado. Ele olha ao redor e não reconhece nenhum elemento que o rodeia. Ele se vê no meio de uma floresta de árvores altas. Olhando para cima é possível ainda notar claridade. Ao horizonte o sol ainda está começando a se por. O chão, coberto de folhas secas, está úmido, como se tivesse chovido mais cedo. Pedro aparenta estar seco, apesar disso. Ele repara que esta deitado, escorado em uma pedra. Ela, e todas ao redor, têm muito lodo em partes de suas superfícies. Ao lado de onde ele se encontra está uma caveira humana.
Ele se reclina e depois agacha próximo a ela. Pedro a fica encarando, analisando cada milímetro daquela caveira, procurando por algum tipo de pista. Ele a olha no lugar onde os olhos deveriam estar, um terrível calafrio sobe a espinha do rapaz. Ele não se lembra de nada, mas uma única imagem, como um frame escondido entre os pensamentos, surge em um lapso de memória. Um eneagrama e uma série numérica, com um algarismo em cada uma de suas nove pontas. 717527202. “O que isso significa?” – Ele se pergunta.
– Me chame de Rainha dos Desamparados e me dê uma coroa de espinhos. – A Caveira falou.
– O que? – Pedro fica estupefato.
A Caveira falou? A Caveira falou. Isso não seria possível. Ele ignora e conclui que deve estar tão cansado que apenas está delirando. Mas por que ele estaria cansado? Ele acabou de acordar em um lugar completamente desconhecido. Ele não se lembra de nada. Pedro acaba de perceber que a única coisa que se lembra é o próprio nome e, novamente, uma única imagem, como um frame escondido entre os pensamentos, surge em um lapso de memória. Um eneagrama e uma série numérica, com um algarismo em cada uma de suas nove pontas. 717527202. Pedro olha para o chão perto de onde estava deitado e há marcas, riscos. Como algum tipo de círculo.
– É a única coisa que sei sobre a minha vida. Do que era antes disso. – Disse a Caveira. – Eu não lembro nem o meu próprio nome. – Aquela voz estranhamente suave e profunda disse com extrema melancolia.
– Pera aí, o que? – Pedro quase pulou de susto dessa vez.
– Você realmente perguntará apenas isso? – Ela respondeu com outra pergunta.
Pedro não sabia o que pensar. Ele havia acordado em um lugar completamente desconhecido e, agora, uma Caveira começou a falar com ele. Não é para as caveiras falarem. Elas são só restos mortais. E apenas uma parte. Tem algo de muito errado acontecendo. Completamente errado. Pedro percebe um cheiro de chuva vindo ao longe. Ele olha para o pouco de céu que consegue enxergar. As nuvens não escurecem, nenhum tipo de sinal. Estranhamente o lusco-fusco parece mais arroxeado que o comum. Ele olha ao horizonte novamente e ele está se pondo mais rápido.
– Certo. Pedro, não é? – A Caveira fala com um certo desdém. – Já que você vai ficar apenas contemplando o ambiente sem se sair do lugar, eu vou te dizer tudo o que precisa saber e você vai fingir que entendeu. Entendeu? – Aquele tom de desdém tinha escalonado em alguns níveis.
Começa a escurecer aceleradamente. Pedro continua olhando para os lados confuso.
– Não, não, não… Ele já está perto. Me pegue e corra para o mais longe possível. – A Caveira disse em um tom de urgência.
– O qu-
– Não pergunte “o que?” de novo, rapaz idiota. Vá. VÁ! – Ela o interrompeu, perdendo a paciência.
Pedro faz o que a Caveira mandou. Por algum motivo ele acha que ela soa como uma pessoa nobre. Ele começa a se questionar quem ela foi em vida. O cheiro de chuva fica cada vez mais forte e próximo, mas ainda sem nenhum sinal de água a cair dos céus. Ele corre o mais rápido que pode, sem olhar para trás. Mas, apesar disso, ele consegue ouvir passos extremamente velozes, quase em ritmo de galope, vindo na sua direção. Talvez um animal muito grande. Mas por que?
O jovem começa a ficar ofegante, a Caveira em seus braços fala algo sobre dimensões de bolso, vítimas, mas ele não consegue ouvir. Ele só quer fugir, mas novamente uma única imagem, como um frame escondido entre os pensamentos, surge em um lapso de memória. Um eneagrama e uma série numérica, com um algarismo em cada uma de suas nove pontas. 717527202. É quando a noite fica completa e uma flecha atravessa o crânio de Pedro. Ele cai no chão, perto de uma chave dourada. A Caveira rola por alguns metros.
– Não, não. De novo não. – A Caveira reclama.
– Eu realmente achei que você conseguiria dessa vez. – Disse o Caçador se aproximando.
– Haha. – Ela riu ironicamente. – Você apenas escolheu mais um inútil porque sabia que ele não seria capaz de nada. – Ela disse em tom de revolta.
O Caçador era uma figura imponente. Ele tinha mais de dois metros de altura, seu queixo era largo, sua pele era branca acinzentada, ele tinha cabelos e barba ruiva, sobrancelhas grossas, traços faciais agressivos e não aparentava ser humano. Várias marcas e algumas cicatrizes eram visíveis, seus olhos emitiam uma luminescência arroxeada, como o céu. Seus trajes aparentavam uma origem greco-romana. Ele não usava armadura, apenas uma toga e uma capa confeccionados rusticamente de pelos avermelhados. Ele tinha um machado guardado nas costas, uma aljava coberta de flechas na coxa direita e um arco em mãos. Montado em um lobo atroz, cujos pelos eram mais escuros que a noite sem luar. Ele se aproxima da Caveira e a pega no chão. Ele sorri.
– Para eu cumprir o meu lado da barganha, você também precisa cumprir o seu. – Disse o caçador.
– Se você me desse, pelo menos, alguma chance. – A Caveira quase implora.
– Na próxima você consegue. – O Caçador diz ainda sorrindo.
Um imenso clarão tomou conta de tudo.

Renato acorda assustado. Ele olha ao redor e não reconhece nenhum elemento que o rodeia. Ele se vê no meio de uma floresta de árvores altas. A primeira coisa que ele nota, depois disso, é a presença de uma Caveira logo ao seu lado. Ele não se lembra de nada, mas uma única imagem, como um frame escondido entre os pensamentos, surge em um lapso de memória. Um eneagrama e uma série numérica, com um algarismo em cada uma de suas nove pontas. 963732819.
Ele ainda não se levantou e permanece completamente imóvel, prendendo a respiração o máximo que consegue. Como se o mínimo suspiro fosse despertar algo. Ele não repara que o sol está se pondo.
– Me chame de Rainha dos Desamparados e me dê uma coroa de espinhos. – A Caveira falou.
– QUE PORRA É ESSA? – Renato se assusta. A Caveira falou? A Caveira falou.
O jovem se levanta bruscamente. Uma flecha atravessa seu crânio e ele cai morto. Já era noite e ele não havia nem notado. O Caçador se aproxima caminhando calmamente, pressiona seu pé direito no pescoço do jovem e retira a flecha do seu crânio.
– Ok, dessa vez eu só estava sendo jocoso. – Disse ele enquanto limpava o sangue na capa. – Da próxima vez você terá uma ótima chance.
Se a Caveira ainda tivesse um rosto estaria com uma expressão de desaprovação nesse momento. Ela sabe que o Caçador nunca te dará uma chance real. Sua vida nunca mais será sua, seu nome nunca mais será seu. A Caveira está condenada a ser apenas isso.
Um imenso clarão tomou conta de tudo.

Rosa acorda. Ela não se lembra de nada. Ela olha ao redor e não reconhece nenhum elemento que o rodeia. Ela se vê no meio de uma floresta de árvores altas. Ela analisa, minuciosamente, os arredores. A Caveira próxima à onde ela acordou chama sua atenção. Ela a pega nas mãos e observa cada mancha e rachadura. Ela olha no lugar onde os olhos deveriam estar e vê algo. Uma única imagem, como um frame escondido entre os pensamentos, surge em um lapso de memória. Um eneagrama e uma série numérica, com um algarismo em cada uma de suas nove pontas. 129293175. A garota não sabe o que aqueles números significam e, na verdade, ela não se importa. Ao olhar para o chão ela nota que o eneagrama já esteve desenhado ali.
– Me chame de Rainha dos Desamparados e me dê uma coroa de espinhos. – A Caveira falou ainda nas mãos dela.
– Pera aí, o que? – Ela questionou.
A Caveira já estava decepcionada, mais uma alma perdida que o Caçador só estava usando para o seu bel prazer e para atormenta-la por mais alguns séculos.
– Rainha dos Desamparados? O que isso significa? E por que uma coroa de espinhos? – Ela questionou genuinamente curiosa.
– Olha, garota-
– Rosa. Meu nome é Rosa. – Ela a interrompeu.
– Rosa. Tudo bem, Rosa. Eu sou a Caveira. Eu te contarei tudo com um imenso prazer, mas apenas se sairmos daqui o mais rápido possível. O sol já vai se por logo e-
– Por que tá com um cheiro de chuva no ar? – Ela a interrompeu novamente com uma pergunta bem pertinente.
– Eu lhe explico no caminho. – A Caveira respondeu em um tom assertivo.
– Ok. – Ela imediatamente concordou.
Ela começa a correr entre as árvores e em direção ao sol. Talvez a Caveira esteja começando a gostar dela e, talvez, dessa vez realmente haja uma chance.
Rosa encontra um possível esconderijo. Um desnível bem embaixo de uma árvore. Não necessariamente um buraco, mas grande o suficiente para cabe-la ali por um tempo.
– Ok, agora você me explica o que tá acontecendo. – Rosa diz ao se sentar. Ela ergue a Caveira em suas mãos à altura dos olhos.
– Bem… Você está sendo caçada. – Ele diz em um tom quase maternalista. – Eu só posso chama-lo de “O Caçador” e ele faz isso por puro entretenimento. Ele me mantém cativa aqui, como uma espécie de isca. Ele é sádico e isso, para ele, é entretenimento.
– Como assim você só “pode” chamar ele de caçador? Ele tem um nome? – Rosa pergunta demonstrando um interesse genuíno.
– Eu estou à mercê dele enquanto permaneço cativa aqui, então tenho que obedecer certas regras impostas por ele. – Ela responde em desalento.
– Quais são essas regras? Onde a gente tá? E por que você tá presa aqui?
– Nós não estamos em lugar nenhum. Aqui não é de onde você é, nem de onde eu sou. É um espaço entre os espaços. Criado pelo Caçador com algum tipo de item mágico ou encantamento, não sei ao certo. – A Caveira começa a explicar. – Como você pode ver, eu morri. Era, ou para eu ter ressuscitado, ou ido para o mundo dos mortos. O Caçador, de alguma forma e por algum motivo, interceptou minha alma e caveira e me aprisionou aqui. É tudo só mais uma parte do jogo dele.
– Eu sinto muito. – Ela diz honestamente.
– Obrigada.
– Então se aqui não é lugar nenhum, aquilo – Rosa diz apontando com uma das mãos – não é o sol.
– Sim e não. É uma forma artificial de iluminação. Um sol que se movimenta enquanto esse lugar onde estamos, se mantém parado. E nesse contexto o Caçador é a lua.
– Por isso a gente precisa sair antes do sol se pôr, o mais rápido possível.
– Exato. – Ela confirma.
– Mas como? – Ela faz outra pergunta certa.
– Bem… Existem chaves espalhadas pela floresta, ela são nossa única oportunidade de sairmos daqui. – A Caveira pausa por uns instantes. – Com vida. – Ele disse cada letra com peso na voz.
– Mas pra onde a gente vai se sair daqui?
– Isso depende. – Ela diz com um certo receio na voz.
– Depende do que, Caveira? – Rosa pergunta com um certo tom de insolência.
– Depende de qual chave você conseguir pegar. – Ela diz com um certo pesar na voz.
Rosa fica visivelmente abalada. Ela não se lembra onde é a sua casa, mas a chance de nunca mais voltar para lá é assustadora. Ela sente uma certa nostalgia de um lugar que não sabe qual é. Ela sente um frio na espinha e uma única imagem, como um frame escondido entre seus pensamentos, surge em um lapso de memória. Um eneagrama e uma série numérica, com um algarismo em cada uma de suas nove pontas. 129293175. Rosa começa a se importar com isso.
– Os números. O que eles significam? – Ela pergunta.
– Você realmente não vai querer saber. – A Caveira diz em um tom de pesar.
Rosa aceita a resposta.
– E aquela coisa do “Rainha dos Desamparados” e “coroa de espinhos”? – Ela questiona, rapidamente mudando de assunto.
– É a única coisa que eu sei sobre a minha vida. Sobre quem eu era antes disso. – A caveira responde em um tom melancólico. – Eu acho que deveríamos ir.– Ok.
Rosa se levanta e ainda com a Caveira em mãos ela começa a se mover agachada. A floresta é densa e não há trilhas. Todo o caminho feito é à esmo. Elas contam com a sorte para encontrar uma chave. A única coisa que Rosa quer é ir embora. Ela tenta não transparecer, mas está com medo. Como nunca esteve antes. Mas, de certa forma, o medo é bom, nesse caso. Ele a deixa alerta. Ela está sendo caçada, mas ela se sente uma caçadora.
Rosa respira fundo, e se dá conta que está apenas fugindo, que é apenas uma presa. Nada daquilo faz sentido, os números não importam, uma caveira fala. E o que diabos é um eneagrama? Ela se perde em meio a esses pensamentos enquanto foge e, bruscamente, para.
– O que foi? – A Caveira pergunta.
– A gente não vai conseguir, não é? – Rosa pergunta em um tom de desesperança.
– Não, claro que vamos. Não é a hora de perder as esperanças, menina. – Ela diz novamente em um tom maternalista. E um cheiro de chuva começa a dominar o ar.
– Quantas pessoas já conseguiram fugir daqui? – Ela pergunta franzindo a testa.
A Caveira não responde.
– Foi o que eu pensei. – Rosa diz soltando a Caveira no chão. – Se alguém tivesse conseguido você não estaria aqui, não é?
A garota começa a andar. Ela vai a um ponto e dá meia volta. Rosa não sabe se aceita o fim inevitável ou se luta, mesmo que tenha mais chances de perder. Estranhamente o lusco-fusco parece mais arroxeado que o comum. Ela olha ao horizonte novamente e o sol está se pondo mais rápido. O cheiro de chuva começa a ficar forte. O sol se põe completamente. Rosa está imóvel. Ela finge que não ouve o forte barulho do Caçador chegando. É como uma trovoada. A Caveira desistiu de inspirar confiança na garota. De repente começa a chover.
– Rosa. ROSA! – A Caveira exclama.
– O QUE FOI? – Ela pergunta revoltada.
– Nunca choveu antes.
– Nunca?
– Nunca.
Rosa se abaixa. Uma flecha passa raspando pela sua cabeça quando ela começa o movimento. A garota pega a Caveira em mãos e começa a correr em zigue-zague. Ela para escorada em uma árvore alguns metros à frente.
– Nunca? – Rosa pergunta clamando por confirmação.
– Nunca.
– Ok. – Com apenas duas letras ela demonstra ter recuperado a confiança.
Ela volta a correr prestando muita atenção em tudo, caso encontre uma chave. Ainda é noite, ainda chove. O chão começa a ficar escorregadio. Elas continuam fugindo e nada da noite passar. A chuva oculta o caçador, a noite quer dizer que ele está perto. Rosa se escorrega e deixa a Caveira cair. Ela rola por alguns metros. Rosa se levanta e olha para trás, ela o vê.
O Caçador montava em um lobo atroz. Rosa nunca havia viso pelos mais escuros de que aqueles do animal. O Caçador era uma figura imponente, ele tinha mais de dois metros de altura. Seu queixo era largo, sua pele era branca acinzentada, ele tinha cabelos e barba ruiva, sobrancelhas grossas, traços faciais agressivos e não aparentava ser humano. Várias marcas e algumas cicatrizes eram visíveis, seus olhos emitiam uma luminescência arroxeada, como o céu. Seus trajes aparentavam uma origem greco-romana. Ele não usava armadura, apenas uma calça e uma toga confeccionados rusticamente de pelos avermelhados. Um machado estava guardado em costas, uma aljava coberta de flechas na coxa direita. Ele pega uma delas e leva ao arco empunhado, mirando na direção de Rosa.
Ela pula no chão e, enquanto ainda se movimentava, uma flecha atravessa sua panturrilha com extrema força. Ela continua alojada em sua carne, é possível que tenha havido uma fratura óssea. Rosa grita de dor, mas resiste. A Caveira chama sua atenção e grita.
– A CHAVE!
Uma chave dourada estava em meio à folhagem e terra úmida, bem próxima a elas. Rosa rasteja para se aproximar. O Caçador se aproxima lentamente, larga o arco no chão e pega o machado. Ela consegue chegar até a chave, mas não até a Caveira.
– O que você está esperando? – A Caveira pergunta em meio ao barulho da chuva.
– Eu não vou sair daqui sem você. – Rosa responde.
A Caveira se sente lisonjeada, mas não consegue conceber tamanha idiotice. Afinal, se apenas uma pessoa conseguir fugir, o Caçador lhe concederá sua vida de volta.
– Garota, não seja idiota e só vá. – A Caveira a repreende. – Eu não preciso disso, eu só preciso que você fuja.
– E como eu faço isso? – Ela pergunta já com a chave em mãos.
– Ninguém nunca chegou tão longe. Agora é com você. – Se a Caveira ainda tivesse um rosto estaria sorrindo de orgulho agora.
Rosa diz um “ok” para si mesma. O Caçador se aproxima, mas a chave começa a brilhar em sua mão. Ela se deita virada para cima, o brilho aumenta exponencialmente. A garota a segura com as duas mãos e à leva ao peito. Rosa fecha os olhos. Ela consegue se lembrar. Ela vê a sua casa bem no meio de Chinatown, em San Francisco. Ela se lembra da agência que trabalhava como programadora. Ela consegue ver a fazendinha de sua abuela, Alba, próxima à cidade de Cabo Rojo, bem na costa sudoeste do território. Ela se lembra dos pais que ficaram em San Juan sem água, sem energia elétrica, quase sem comida após o furacão. Ela se lembra. A luz que chave emana parece densa, parece cegar. Por causa da chuva, Rosa não consegue ouvir o que a Caveira diz a ela.
O Caçador decepa a cabeça de Rosa antes que ela fuja, antes de tudo. Um corte limpo, a cabeça nem ao menos sai do lugar, ele mantém o machado ali. A Caveira tentou alerta-la, mas foi em vão. Tudo foi em vão. O Caçador tira uma chave que estava em uma corrente em seu pescoço e ela começa a brilhar. Ele anda de volta ao lobo e, desta vez, ignora completamente a presença da Caveira.
– Caçador… CAÇADOR! – A Caveira clama e ele se vira.
– Tudo tem seu tempo. – Ele responde.
– O meu nome… Por favor. Pelo menos me diga o meu nome. – Ela, sem forças, suplica.
Ele pega o machado, vira as costas e vai andando na direção do lobo. A cabeça de Rosa rola por alguns metros.
– ÓRION, POR FAVOR, ME DIGA O MEU NOME! – A Caveira o confronta, mas em tom de súplica e meio a falhas na voz e engasgos.
– Você não pode ser o que não pode ser. – Ele fala sem querer dizer muito. – Pelo menos, dessa vez, você terá companhia… – ele sorri – Myriam.
Um imenso clarão tomou conta de tudo.
submitted by mgramigna4L to EscritoresBrasil [link] [comments]


2019.09.04 17:03 mgramigna4L O Espaço Entre os Espaços

A história reportada a seguir é baseada em acontecimentos reais. Por ser um experimento confidencial, os nomes e a localidade foram ocultados ou alterados.
______________________________________________________________________
Já passavam das duas da manhã e os cientistas estavam cansados. Dr. Gama e Dr. Omega estavam há exatos 756 dias preparando este teste e há cinco dias sem dormir mais do que vinte minutos. A cápsula temporal os levaria até três minutos e trinta e três segundos no passado, em uma sala de segurança, onde observariam a si mesmos por um tempo até voltarem até sete minutos e cinquenta e seis segundos no futuro.
Os dois haviam idealizado o projeto da máquina do tempo há tantos anos que isso, de alguma forma, nem parecia mais algo surreal. Era, simplesmente, banal o fato de que Gama e Omega estavam prestes a ir contra as leis da física de vez e provar que, de alguma maneira, Einstein estava errado.
Omega era o mais velho dos dois. Não era casado, mas já foi um dia. A esposa pediu o divórcio quando o projeto foi aprovado pelo governo. Ela argumentava, e depois gritava, que ele nunca deu mínima para ela e os filhos de verdade e, por isso, aceitou a clausura que é a instalação onde vive hoje. Ela estava certa. O cientista não fazia ideia de que o filho mais novo havia morrido em um acidente de moto e que a filha mais velha acabara de dar à luz ao seu primeiro neto. Mas é como foi dito, ele não se importava.
Gama foi o aluno mais brilhante que passou pela classe de Omega. Ele era, não tão incrivelmente, mais inteligente que o professor. Órfão de pai e mãe, o rapaz foi criado pelos avós, já falecidos. Nunca namorou, ou mesmo se relacionou com alguém por mais de cinco minutos. Tudo que importava em sua vida era o trabalho e a ambição pelo poder, algo que ele tentava ocultar, miseravelmente, do seu mestre. O jovem PhD raramente teve alguma ligação com o “mundo exterior”. Seu laboratório era o único bem material que importava para ele.
– Nós não temos mais tempo a perder. – Exclamou Omega.
– Acalme-se, professor. Há uma probabilidade de 99,863 % de obtermos sucesso.
– São esses 0,137 que me preocupam, garoto.
Depois de todo esse tempo trabalhando juntos Omega ainda tratava Gama como um inferior. Era a única forma que o velho via para mascarar a inveja que ele sentia do brilhantismo do ex-aluno. Ele sabia que o rapaz era muito melhor do que ele em qualquer aspecto que importava. E, por isso, ele receava pelo o que o prodígio poderia vir a se tornar. Além de também ter certeza que o garoto era um sociopata. Os rumores que ouviu sobre o garoto na época da faculdade só podiam ser verdade. Mas é como foi dito antes, Omega não se importava muito. Ele certamente se arrependerá de não ter dado a devida atenção a isso antes.
Já estavam prestes a começar o procedimento. A cápsula do tempo não era tão pequena. Haviam assentos no interior, arranjados em um círculo, disponíveis para cinco pessoas.
Omega foi o primeiro a entrar pela escotilha superior da cápsula. O velho não conseguia esconder sua ansiedade. Dois anos e vinte e seis dias de trabalho que ele fingia não estar contando. Ele já estava tão estressado que até os pelos da sua barba haviam começado a cair. Omega, um dia, já foi um jovem e ambicioso empreendedor que largou a faculdade para fundar uma startup de tecnologia. Quase faliu a si e aos sogros, foi obrigado a voltar aos estudos e se dedicar à vida acadêmica. As frustrações dos fracassos acumulados ao longo de sua vida tiravam mais seu sono do que qualquer outra coisa.
Já Gama entrou com calma na cápsula. Não estava ofegante como o professor. Aliás, nunca esteve. O jovem que antes nunca havia se interessado por nada, ou ninguém, teve um breve momento de humanidade aparente quando conheceu Linda há exatos 749 dias. Ele a seguia por todos os cantos, sabia seus modos, seus costumes, a anatomia de seu sorriso. Ele esteve com ela nos últimos sete dias antes da clausura voluntária e até parecia estar feliz.
A cabine estava vazia com apenas os dois cientistas ali. Parecia errado, parecia impuro, mas eles estavam preparados. O experimento já ia começar.
Apertaram os cintos, viraram todas as chaves e alavancas necessárias e a única coisa que faltava era pressionar o grande botão vermelho. Gama e Omega se olharam.
– Dr. Omega, eu acho correto que–
– Nem pense nisso, garoto. – Disse Omega interrompendo o rapaz e imediatamente pressionando o grande, e ameaçador, botão vermelho.
E ele pensou que isso seria uma boa ideia. Imediatamente se arrependeu da decisão. Omega nunca havia visto Gama com um olhar raivoso, aquela foi a primeira vez e isso o deixou assustado. Toda ideia da cápsula do tempo, a criação da partícula Fermi e a idealização do projeto em si, tudo partiu de Gama. Omega apenas se aproveitou de seus antigos contatos empresariais, alguns nomes que conhecia no governo e sua inata habilidade de parecer mais inteligente do que realmente é. Nunca o jovem reclamou, Omega até achava que ele era grato por, de certa forma, se apossar da sua ideia. Naquele momento Gama sentiu ódio e Omega pôde perceber.
Tudo corria normalmente, era possível ver o lado de fora através das pequenas janelas. Os raios azuis ricocheteavam pelas paredes de concreto e logo formariam o domo de energia em volta da cápsula. Omega estava eufórico, de felicidade por tudo estar correndo bem e também de temor pelo o que Gama faria assim que retornassem.
Algo começou a mudar…
Um estranho cheiro de amônia infectou pelo ar, os raios do lado de fora que, em todos os testes, sempre foram azuis se tornaram amarelos. Algo estava errado. Dentro da cápsula, uma esfera de energia também amarela se formou bem no centro.
Omega estava preocupado.
Gama estava fascinado.
Nenhum deles sabia a causa da anomalia, e isso poderia significar o fim do projeto, de todo esse tempo de trabalho, e de suas vidas.
O olhar de Gama era algo significativo no momento. Ele estava gostando daquilo. Isso era algo inconcebível para Omega. O discípulo controlador e meticuloso que ele conhecia estaria revoltado pelo experimento não sair como o planejado. Gama olhou dentro da esfera e viu o caos. Omega não sabia naquela hora, mas o Caos olhou de volta para ele.
A esfera começou a se expandir exponencialmente emitindo um alto som, como o de uma larga turbina. Omega, desesperado, gritou palavras aleatórias inaudíveis para Gama. O rapaz se livrou de seu cinto de segurança e se levantou. Enquanto andava em direção à esfera de energia, Omega gritou novamente, mas dessa vez uma palavra monossilábica, ainda inaudível.
Gama foi atingido pela superfície expansiva da esfera e jogado contra a parede da cápsula. Uma forte explosão luminosa cegou Omega por 37 segundos. Retornando aos seus sentidos, olhou para o seu lado direito e viu o parceiro caído, desacordado e com um enorme corte escorrendo sangue na testa. Eles estavam parados no mesmo lugar.
Nada havia mudado.
Ainda atordoado, passando os olhos pela cápsula, em seu lado esquerdo, Omega, por um instante pensou estar delirando, não acreditava em seus próprios olhos. Uma terceira pessoa estava ali. Uma mulher, aparentando ter de trinta a quarenta anos, negra, de cabelos cacheados e castanhos, vestindo uma roupa de segurança extremamente igual à dele, porém com uma letra grega diferente bordada no lado esquerdo do peito.
Alpha.
– Eu sabia que não devíamos ter nos precipitado assim. Merda… – Disse ela.
– Que porra é essa? Quem é diabos é você?! – Ao mesmo tempo, perguntou, exclamou e questionou Omega.
– Como assim, Dr. Omega? Que tipo de pergunta é essa? – Ela demonstra genuína surpresa com a reação do colega.
– Quem é você? Como você surgiu? De onde você veio? – Ele age de forma hesitante. Se não estava tremendo antes, agora ele estava.
– Ok, a anomalia gerada durante o teste deve ter lhe causado algum dano neural. Você está se sentindo nauseado? Teve alguma falha na visão, ou audição? Consegue se levantar? Você por acaso olhou diretamente para a anomalia? – Perguntou ela, tão rápido que não era possível para alguém conseguir assimilar, enquanto se levantava para dar assistência ao colega.
Uma pessoa havia aparecido do nada dentro da cápsula e agia como se o conhecesse há anos. Ela estava visivelmente cansada e estressada, como ele. Omega tentava disfarçar, mas estava exposto na sua expressão a angústia que sentia naquele momento. Gama permanecia desacordado.
– Você não está me reconhecendo mesmo, não é? – Alpha questionou sinceramente, andando em direção à Gama.
Omega apenas respondeu com um olhar.
– Alpha. Dra. Alpha. Física de Cordas. Parceira de laboratório. Estou aqui há dois anos, vinte e seis dias e sete horas.
Ele ainda não tinha a mínima ideia do que estava acontecendo. O teste final havia dado errado. Seu colega estava desacordado e uma pessoa que nunca viu na vida estava na sua frente, olhando nos seus olhos, e alegando ser uma outra colega de trabalho que sempre esteve ali.
Mas ela estava?
Será que o estresse de Omega estava tão alto nos últimos dias que, simplesmente, deletou da memória a existência de Alpha? Ele não tinha certeza de mais nada, mas uma terceira cientista faria todo sentido, claro. Em um projeto desse tamanho, com essa importância faria sim todo sentido que o próprio governo nomeasse um profissional de confiança deles para participar também.
O que não fazia mais sentido era, por que estavam apenas os cientistas sozinhos em uma instalação daquele tamanho? Sem seguranças, sem profissionais de manutenção, sem serviços, já que o projeto era tão importante assim.
Só Gama poderia confirmar ou contradizer seu pensamento.
Mas ele ainda estava desacordado.
– Vamos tirá-lo daqui. – Disse Omega.
Eles o levaram para a enfermaria. Haviam dezenas de macas extremamente ensanguentadas lá. O sangue estava jorrado até pelas paredes.
– O que aconteceu aqui? – Perguntou Alpha. – Onde está todo mundo?
– Havia– Omega hesitou. Respirou fundo. – Havia alguém aqui? – Perguntou ele tentando soar minimamente são.
– Sim. Bem… Não. Não sei, na verdade. – Disse ela incerta, pela primeira vez.
– Você acabou de me dar todas as respostas possíveis. – Ele disse com um inquietante tom de ironia na voz.
– Estou confusa. Talvez tenha sido o incidente.
– É, talvez. – Omega estava cada vez mais desconfiado. – Vamos colocá-lo em algum lugar e depois checar as imagens do circuito interno de segurança. – Ele disse tentando desviar a atenção dela.
– É uma boa ideia. – Concordou Alpha.
Alpha limpou um dos leitos tirando os lençóis sujos de sangue e substituiu por novos e ainda lacrados na embalagem enquanto Omega ainda carregava o colega desacordado.
Eles tentaram aplicar soro intravenoso em Gama, mas nenhum dos dois cientistas tinha esse tipo de treinamento. Erraram a veia algumas vezes até desistirem. Deixaram algumas garrafas de água mineral em uma bandeja ao lado da cama do rapaz. Limparam a ferida que, estranhamente, já estava fechada. Todo o sangue que estava no corte era apenas o que estava na superfície da pele.
Não será uma boa sensação acordar sozinho em uma enfermaria naquele estado, mas era a única opção naquele momento.
Por alguns instantes, a presença de Alpha não parecia mais algo tão estranho para Omega. Era como um estranho corte de papel em um dos dedos, que você não se lembra mais de onde surgiu e não se incomoda mais por ele estar ali. Se tornou natural.
Ao chegarem na sala de segurança, mais sangue. As coisas continuavam a não fazer mais sentido. Mas a cada minuto que se passava, a estranheza se tornava comum para eles.
Omega era o expert em tecnologia ali. Não que precisasse disso para operar um sistema de segurança primário como aquele, mas mesmo assim tomou a frente na situação. Alpha estava de pé analisando os doze monitores aos mesmo tempo, enquanto o colega procurava pelos arquivos.
– Vamos começar pelas gravações de cinco dias atrás. – Disse ele.
– É um bom começo. – Respondeu.
As imagens mostravam a instalação repleta de funcionários, desde limpeza, seguranças, assistentes, cozinheiros, Gama e Omega, mas nada de Alpha.
Ambos estavam apreensivos. Ela tinha certeza que sempre esteve ali. As filmagens mostravam o contrário, confirmando a hipótese dele. Após alguns minutos analisando as imagens, tentando encontrar algum rastro de Alpha naquela instalação todas as câmeras de segurança falharam por um breve momento e todas as pessoas da instalação desapareceram. Todas. Incluindo Gama e Omega.
E foi quando aconteceu.
Alpha apareceu pela primeira vez nas imagens de segurança. Sozinha dentro do prédio, vivendo e convivendo como se tivesse a companhia de todos.
As imagens falharam novamente.
Ela desapareceu.
Gama e Omega reapareceram.
– Quem é você? – Ele fez a pergunta errada.
– Eu- Antes que Alpha terminasse, Omega a interrompeu.
– NÃO! Eu perguntei: QUEM. É. VOCÊ?
– EU NÃO SEI, OK? – Respondeu ela completamente irritada. – Eu não sei… – Alpha abaixou seu tom, mas sem demonstrar fraqueza. Não tirou os olhos dos monitores por um segundo enquanto falava. – Eu me lembro de tudo. De tudo.
Silêncio.
Omega se levanta lentamente, começa a andar, inquietamente, de um lado para o outro enquanto a suposta colega continua encarando as telas como se fosse encontrar alguma solução naquelas imagens. Ele se afasta quietamente e tenta alcançar a porta.
Alpha não consegue entender. Nada daquilo faz sentido. E ela continuava se fazendo as perguntas erradas. A pergunta certa?
O que aconteceu com as outras pessoas que estavam lá?
Claro.
Ela não se perguntou aquilo no momento. Sua crise existencial, e talvez pela primeira vez essa expressão é usada literalmente, tomava toda sua atenção enquanto Omega, aquele salafrário, a trancava na sala. Ela nem percebeu. Se virou e foi direto ao quadro branco de avisos. Alpha não conseguia encontrar o apagador e começou a escrever por cima de todos os recados.
Omega foge. Como o covarde que é, como sempre fez na vida. Ele tinha que encontrar Gama e juntos eles tinham que dar um jeito nela. Em tudo. Em todos os erros que cometeram. Eles tinham que reativar a máquina do tempo e impedirem a si mesmos de criarem o projeto. Ele planejava mesmo voltar dois anos no passado.
Alpha está tão concentrada calculando que nem se deu conta do que aconteceu. E é quando a ideia a atinge. Quase de forma cartunesca, a epifania, aquela clássica sensação de “eureca” e Alpha conclui que ela e aquelas versões de Gama e Omega são de realidades diferentes.
– Claro! – Exclamou.
Era só uma hipótese, mas ela tentava provar com cálculos que estava certa.
– Ok, faz todo sentido. – Ela disse se afastando do quadro e o olhando a distância. – Ok. OK. OK. – Ela repete indo e voltando em direção ao quadro.
Alpha começa a desenhar duas elipses paralelas e entre elas uma pequena bola preta. Ela explica:
– Ok, essas são nossas duas realidades. Ligeiramente distintas, correto? Aqui é onde estamos. Espremidos entre elas. Presos em algum tipo de limbo. Um espaço entre os espaços. Uma não-realidade. Uma não-existência. Ok? Ok. Mas o que causou isso?
Ela se afasta novamente. Olha e volta e não encontra Omega. Fica confusa por poucos segundos, mas no fim entende. Ele estava assustado. Mas também pudera. Óbvio que ela também estava, mas agora talvez haveria uma solução.
A cientista retorna às imagens do circuito de segurança em um dos monitores. Ela retorna ao momento que as imagens falharam pela primeira vez e analisa frame a frame para ter uma visão minuciosa do que realmente aconteceu.
Ela encontra.
Em apenas um frame.
Uma falha acontece e (quase) todas as pessoas que estavam na instalação desaparecem. Ela se vê novamente interagindo com pessoas que não estavam lá. Ela não admitiria isso, mas isso a abala.
Seu pai sempre dizia que a saúde mental é, talvez a coisa mais importante da vida. Algo extremamente subestimado, mas o homem de vida simples que a criou sozinho sempre zelou para que a filha estivesse bem psicologicamente.
Alpha adianta para o dia do teste. Ela percebe uma similaridade na interferência que ocorreu na imagem ali e no dia da primeira falha. Depois de ver e rever esse trecho, ela encontra na falha um frame sobreposto. Ela se aproxima para ver melhor. Todos os monitores se desligam ao mesmo tempo e religam imediatamente. Aquela única imagem está sendo exibida em todos eles, formando um quebra cabeça. Alpha vê as várias pessoas que estavam na instalação se comportando de maneira muito estranha. As imagens não têm áudio, mas os funcionários andam, correm de um lado para o outro. Alguns ainda aparentando um pouco de consciência prestam assistência e os levam à enfermaria. É quando acontece. Todos os corpos explodem, mas também é como se todos eles fossem apenas bolsas de sangue. Não há sinal de ossos, órgãos, carne, pele. Apenas sangue.
Alpha está chocada. As imagens voltaram ao normal. Ela não se lembra do que viu ali.
– A energia temporal resultante foi tão grande que reverberou dias antes. – Ela se indagou. – É bem possível que as duas realidades tenham executado o experimento ao mesmo temp--PORRA! – Ela mesmo se interrompe quando chega à uma conclusão final.
Coincidência, não?
Gama havia acabado de acordar quando Omega chegou à enfermaria.
– Garoto, você não vai acreditar.
Ele o atualizou sobre a situação. Contando a sua versão da história, no caso. Tentando manipular o garoto. Usando seus artifícios de um quase charlatão. Focando em partes nebulosas e inconsistentes da história. Era nas brechas entre realidade e uma quase ficção que ele trabalhava. Queria convencê-lo, a qualquer custo, de que o que fizeram é errado e que deveriam dar um fim em Alpha. Ela era o paradoxo, ela era causa de tudo. Se ela não tivesse aparecido, tudo teria dado certo.
O comportamento de Gama já deixava Omega desconfiado, mas aquele silêncio se tornava assustador. Não que fosse incomum. O rapaz sempre foi quieto e, como disse antes, nunca teve muitos amigos. Omega operava na suposta sociopatia do rapaz. Os rumores de que Gama era um estuprador, ou até um canibal se espalhavam pela faculdade, na época, como chamas em um campo de centeio. Nada confirmado, mas as pessoas são más e gostam de ferir os outros. Era no suposto ponto fraco do rapaz que Omega tentava cutucar.
Enquanto ainda falava, Omega notou que os olhos de Gama emitiam luz e se tornavam amarelos. Não como um anêmico, mas como uma fonte luminescente radioativa. Um líquido espesso e negro escorria pelos seus orifícios faciais.
Gama abriu a mão magra como uma lâmina afiada e atravessou o peito de Omega.
– Eu sei. – Ele disse. – De tudo.
Sua fala e expressão completamente apáticas carregavam um peso emotivo escondido nas entrelinhas. Ele realmente sabia de tudo. Ou é isso que acreditava.
Alpha viu tudo aquilo pelos monitores do circuito interno de segurança. Foi nesse momento que ela percebeu que estava trancada lá dentro. Ela já sabia a solução para a falha, mas primeiro precisava sair dali. Mas ela estava na sala de segurança.
Infelizmente não haviam muitas armas lá. Isso não era exatamente um problema para ela, já que seu pai a ensinou a atirar quando era criança e sempre incentivou que ela soubesse se defender.
Alpha se armou. Não até os dentes, isso seria ridículo.
Uma escopeta e um revólver. Ela não queria se aproximar de Gama, então a escopeta era apenas para abrir a porta.
Alpha tinha plena convicção de que a única forma de reverter a falha é resetar a máquina do tempo, forçando um reboot daquela não-linha temporal. Gama ainda estando entre ela e o laboratório era um empecilho. Mas agora ela tem um revólver.
Ela anda lentamente para não despertar muita atenção. Não quer fazer muito barulho. Mas, estranhamente, a instalação parece encolhida e não demora muito para encontrar Gama no corredor. Alpha para e dá o primeiro tiro ainda a uma certa distância. Gama desvia desaparecendo e reaparecendo, poucos metros à esquerda, em um piscar de olhos, como um frame perdido, similar às falhas nos vídeos. Ele continua se movendo em direção a ela e vice-versa.
Alpha dá o segundo, terceiro, quarto, quinto tiro. Sem sucesso. Gama a segura pelo pescoço e a ergue facilmente. Sua força é absurda. Ela dá o último tiro à queima roupa na cabeça dele. Dessa vez a bala falha ao tocar a têmpora de Gama como se houvesse uma barreira.
Gama quase sorri. A gosma que sai pelos seus orifícios faciais é incessante e já mancha seus dentes de preto. Ele estende a mão direita. Repetindo o movimento de quando assassinou Omega, quase como um ritual. Curiosamente, naquele momento, Alpha ainda conseguia se perguntar, “Qual o propósito disso tudo?” Se por “isso” ela se referia ao infortúnio específico que passava, ou à vida em si, nós nunca saberemos.
Quando estava próximo a atravessar a barriga dela, ele falhou. Como um frame perdido. Foi a única vez em que esboçou uma expressão real.
Sua mão falhou.
Exatamente da mesma maneira que a bala em sua têmpora. Uma barreira também a protegia. Alpha entendeu e sorriu. Ela socou diretamente, de baixo para cima, o queixo de Gama com extrema força. Ele se desvencilhou e caiu no chão. Aquele murro teve um enorme impacto e fez um barulho inimaginável para apenas um golpe físico. Alpha sabia que não tinha muito tempo. E enquanto isso ele desacreditado gritava.
– NÃO É POSSÍVEL! ELE OLHOU PRA MIM! ELE FALOU COMIGO! EU SOU O AGENTE DO CAOS!
Alpha deu-lhe mais um soco no rosto e o lançou contra a parede. Um chute entre as pernas para terminar o serviço e correu. Ela sabia que só o tinha deixado mais irritado. Mas foi tudo tão divertido.
O que antes parecia ter encolhido, agora corredor parecia interminável, mas era só uma ilusão. Mesmo com a vantagem era possível vê-lo se aproximando.
Ela entrou no laboratório, ainda meio desajeitada e trancou as portas. Os computadores estavam sempre ligados, então ela automaticamente iniciou a sequência de limpeza de dados e preparou o reset.
Gama explodiu as portas expandindo sua barreira de proteção. Ela se tornou um domo eletrificado de luz amarela e ele flutuava lá dentro. Alpha entrou rapidamente na cabine do tempo, pois considerou que era o lugar mais seguro ali. Ledo engano.
A máquina estava quase em potência máxima quando o campo de força e Gama começou a despedaçar as paredes da cabine.
Ela explodia em pedaços e era possível ver Gama, com a face completamente consumida em gosma negra. Alpha apertou o botão.
Uma forte explosão luminosa cegou Alpha. Ainda era possível ouvir o grito de Gama abafado por aquele forte som de uma larga turbina enquanto aquela não-realidade se desfazia junto com ele.
Alpha fechou os olhos, mesmo não fazendo a menor diferença. Não havia nada para se enxergar. O som se dissipou e a cientista começou a recobrar os sentidos. Um cheiro de amônia havia sobrado no ar e um ruído agudo vindo de trás da cabeça a impedia de se recompor completamente.
Ela estava lá.
Sozinha.
De volta à instalação deitada em sua cama. Ela se levantou.
Olhou em volta e voltou à rotina, como se nada tivesse acontecido. Interagindo normalmente com pessoas que não estavam lá.
Alpha sabia que era melhor viver assim.
submitted by mgramigna4L to EscritoresBrasil [link] [comments]


2019.08.19 00:29 Stalin_bae Revisão da Rodada 16 (Série B)

O Vitória saiu do rebaixamento.
_______________________________________________________________________________________________________________________
Segunda Feira 12/08
Nabi Abi Chedid
Bragantino 4x0 Operário
15' Matheus Peixoto
28' Léo Ortiz
42 2T' Bruno Tubarão
45 2T' Ytalo
O Bragantino vinha de três jogos sem vencer, sendo dois sem marcar, enquanto o Operário estava começando a se aproximar do G4. O Bragantino dominou o jogo começo ao fim, poderia ter marcado mais gols, o fantasma pouco assustou e vitória tranquila para o líder.
Matheus Peixoto é um dos poucos jogadores que começaram o ano jogando pelo Bragantino e foi ele que encerrou o jejum de gols da equipe.
_______________________________________________________________________________________________________________________
Terça-Feira 13/08
Antônio Accioly
Atlético 2x0 Oeste
13' Mike
29' Kanu (GC)
O jogo foi equilibrado até o Dragão marcar com Mike, a partir daí a partida perdeu emoção, os dois times estavam bem posicionados defensivamente. Pedro Bambu iria chutar cruzado pra fora, mas o zagueiro Kanu desviou para o gol, o Oeste não conseguiu reagir, o Atlético manteve controle do jogo sem se arriscar e segue no G4.

Couto Pereira
Coritiba 2x0 Brasil de Pelotas
17 2T' Sabino
32 2T' Robson
Esse jogo foi como os últimos dois, o dono da casa se impôs desde o começo, teve várias chances enquanto o adversário não assustou muito, o goleiro Carlos Eduardo salvou o Xavante de um placar muito pior. Muralha está em ótima fase, numa das poucas vezes que foi testado fez uma grande defesa no chute de Rafael Grampola. Demorou, mas o Coritiba marcou, o Xavante tentou buscar o empate, mas em um contra-ataque o Coxa fechou o placar. Houve reclamação sobre a regularidade do segundo gol.
7 jogos sem perder, 5 vitórias e 2 empates e o Coritiba é vice-líder, grande momento que o time vive nessa edição da Série B.
_______________________________________________________________________________________________________________________
Quinta-Feira 15/08
Orlando Scarpelli
Figueirense 0x1 Ponte Preta
51 2T' Matheus Lucas (Vermelho) 30' Diego Renan
A Ponte estava muito desfalcada, tinha jogador em campo que estava gripado, mas mesmo assim através da eficiência conseguiram vencer, assim como nas últimas partidas, a macaca não fez um jogo bonito, mas conseguiu o resultado que importa. O Figueirense controlou o segundo tempo, mas não conseguiu o empate.
Ponte Preta venceu a segunda seguida e está de volta no G4, enquanto o Figueirense está cada vez mais fundo nessa crise, já se foram 7 jogos sem vencer com problemas dentro e fora de campo. Essa foi a quinta vitória seguida da Ponte sobre o Figueirense, última derrota pro furacão foi em 2015.
Novamente os jogadores ameaçaram WO, veremos se o jogo Cuiabá x Figueirense vai acontecer.
_______________________________________________________________________________________________________________________
Sexta-Feira 16/08
Estádio do Café
Londrina 1x1 Criciúma
06' Higor Leite 41' Julimar
Higor Leite marcou um gol olímpico e o Criciúma empatou com outro belo gol, dessa vez de fora da área.
O Londrina começou apertando e conseguiu o gol cedo, continuou assustando enquanto o Criciúma começava a crescer na partida e no final do primeiro tempo ainda veio o empate. No segundo tempo as duas equipes foram pouco efetivas nas finalizações e não conseguíram sair do empate, que é ruim para os dois.

Brinco de Ouro
Guarani 0x2 Vila Nova
14' Robinho
15 2T' Wesley Matos
Guarani começou a partida bem, mas na posição que estão, isolados na lanterna, o Vila Nova foi eficiente, saiu na frente e o bugre desmontou. Davó fez uma jogada linda no segundo tempo e teve chance de empatar, falhou, o Guarani então não conseguiu se encontrar, o Vila marcou mais um e garantiu a vitória.
_______________________________________________________________________________________________________________________
Walter Ribeiro
São Bento 2x1 Paraná
28 2T' Wesley 41' Fernando Neto
47 2T' Minho
O jogo foi fraco, o Paraná jogou mal novamente, saiu na frente, tentou administrar e levou a virada. Paraná foi de 5 vitórias seguidas para 5 sem vencer e em 4 deles o time não marcou.

Arena de Pernambuco
Sport 3x0 Botafogo
16' Hernane
19 2T' Leandrinho
30 2T' Marcão Silva (Vermelho)
49 2T' Guilherme
O Sport mudou, não só de uniforme, fez um grande jogo, eu nem preciso falar do primeiro tempo, foi dominado pelo Leão. A segunda parte foi menos sofrida para o Pantera, não assustava, mas o Sport não estava apertando tanto, isso mudou quando o Guto fez substituições e o Leão voltou a marcar. O Botafogo ainda perdeu pênalti quando estava 2x0, depois Marcão foi expulso e o Leão continuou no domínio, estreia ruim para o técnico Hemerson Maria.

Independência
América 2x1 Cuiabá
22' Júnior Viçosa 18 2T' Gilmar
37' Neto Berola
E pela primeira vez após a volta da Copa América, o Dourado reencontra a derrota. O América que busca se livrar do título de pior mandante começou a partida buscando o gol, saiu na frente com Viçosa e o Neto Berola, de rosto ampliou. O Cuiabá tentou bastante no segundo tempo, quase levou o terceiro, mas acordou e o resto do jogo teve um dourado um pouco melhor, mas conseguíram apenas um gol.
_______________________________________________________________________________________________________________________
Domingo 18/08
Rei Pelé
CRB 0x1 Vitória
42' Felipe Gedoz (Pênalti)
Segundo jogo do Amadeu no comando do Vitória, 6 pontos conquistados e fim do jejum de 200 dias do Leão sem vencer fora de casa (última foi em janeiro contra a Jacobina). O CRB tentou sair atacando, mas a defesa do Vitória foi muito sólida (você não esperava por essa!). Vitória pouco se arriscou, foi eficiente e de pênalti conseguiu o gol. No final do primeiro tempo, o Vitória ainda teve chance de ampliar a vantagem, Anselmo Ramon tentou marcar de letra, só que foi pra fora. Vitória jogou fechado, esperou pelo contra-ataque, basicamente o CRB experimentou do próprio veneno. Grande oportunidade de G4 perdida pelo galo.
_______________________________________________________________________________________________________________________

Classificação

Posição Clube Vitórias Empates Derrotas Pontos Saldo de Gols
1. Bragantino 9 4 3 31 15
2. Coritiba 8 5 3 29 9
3. Atlético 8 4 4 28 7
4. Ponte Preta +3 7 5 4 26 5
5. Sport +5 6 8 2 26 7
6. Londrina -2 7 4 5 25 3
7. Botafogo -2 7 3 6 24 0
8. CRB -1 7 2 7 23 2
9. Cuiabá -1 6 5 5 23 0
10. Paraná -1 6 5 5 23 -3
11. Operário 6 3 7 21 -5
12. Figueirense 4 8 4 20 1
13. Brasil de Pelotas 5 3 8 18 -6
14. Vila Nova +2 4 6 6 18 -2
15. Oeste -1 3 9 4 18 1
16. Vitória +1 5 2 9 17 -9
17. América +1 4 5 7 17 -6
18. Criciúma -3 4 5 7 17 -6
19. São Bento 4 4 8 16 -5
20. Guarani 3 4 9 13 -8
*O América tem mais gols pró do que o Criciúma
_______________________________________________________________________________________________________________________

Artilharia

Jogadores Gols
Rodrigão (Coritiba) 9
Ytalo (Bragantino) 8
Hernane (Sport) 8
Mike (Atlético) 7
Guilherme (Sport) 6
Rafael Costa (Botafogo) 5
Felipe Augusto (Operário) 5
Júnior Todinho (Cuiabá) 5
_______________________________________________________________________________________________________________________
Próxima rodada:
Segunda-Feira: Oeste x Coritiba, Criciúma x Bragantino
Terça-Feira: Botafogo x Londrina, Operário x Guarani, Brasil de Pelotas x São Bento, Paraná x Atlético, Vila Nova x Sport, Cuiabá x Figueirense
Quarta-Feira: Vitória x América, Ponte Preta x CRB
_______________________________________________________________________________________________________________________
Rodadas 4-15: https://pastebin.com/raw/7Z6WUyvB
submitted by Stalin_bae to futebol [link] [comments]


2019.07.21 04:54 LamedVavnik Reportagem da Veja de outubro de 1968 contando um confronto entre a USP e a universidade do Mackenzie com uma fatalidade. A edição da revista é usada como código no filme Batismo de Sangue.

Olá Brasil! Achei essa reportagem à alguns anos atrás enquanto fazia um resumo do filme Batismo de Sangue para um trabalho de ensino médio. É um excelente filme que conta a história do Frei Tito, preso e torturado durante a ditadura sob acusações de ter contato com Carlos Marighella. Durante uma das cenas a edição de outubro de 1968 da revista Veja é usada como símbolo dos militantes. Fiquei curioso na época e conseguir achar uma versão online do texto, que dá uma pequena visão do panorama politico da época.
Destruição e morte por quê?
O ovo veio antes. Estourou na cabeça de um estudante. Depois vieram outras explosões, de coquetéis Molotov, bombas, rojões, mais tiros de revólver, para transformar um pedaço da Rua Maria Antônia, no centro de São Paulo, num campo de batalha. Poderia ter sido mais uma briga, marcando a rivalidade entre os alunos da Universidade Mackenzie e a Faculdade de Filosofia da Universidade de São Paulo, uma em frente a outra se encarando com maus olhos há muito tempo. Mas a incrível batalha foi longe demais: há um morto, um moço de vinte anos, muitos feridos, os prédios de duas escolas danificados, vários carros virados e incendiados. No mesmo momento em que os universitários brasileiros reclamam um nível melhor de ensino e pretendem uma participação mais ativa na vida política do País, 3.000 estudantes do Mackenzie e 2.500 estudantes da Faculdade de Filosofia da USP deflagram a sua guerra por causa de um ovo. Para um estudante do Mackenzie, "essa briga prova que não há lugar para duas escolas na Rua Maria Antônia". é muito pouco para tanta violência. Uma coisa é certa: aos dois lados faltou a visão das conseqÜências políticas e dos danos materiais que a briga provocaria - e faltaram líderes para deter a briga, antes que chegasse onde chegou. Ao lado do caixão de José Guimarães, o jovem secundarista que tombou na batalha sem glória, Dona Madalena, a mãe desolada, chora, enquanto o irmão mais velho, Ladislau, repete para cinegrafistas e fotógrafos: "Filmem e fotografem à vontade. Talvez tudo isso sirva para alguma coisa, um dia".
Paus e pedras, bombas Molotov, rojões, vidros cheios de ácido sulfúrico que ao estourar queimavam a pele e a carne, tiros de revólver e muitos palavrões voaram durante quatro horas pelos poucos metros que separam as calçadas da Universidade Mackenzie e da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo. Exatamente às 10 e meia da manhã do dia 2, quarta-feira, começou a briga entre as duas escolas. Porque alguns alunos do Mackenzie atiraram ovos em estudantes que cobravam pedágio na Rua Maria Antônia a fim de recolher dinheiro para o Congresso da ex-UNE e outros movimentos antigovernistas da ?ação? estudantil, a rua em que vivem as duas escolas rapidamente se esvaziou. Formaram-se grupos dos dois lados, dentro do Mackenzie, onde estudam membros do Comando de Caça aos Comunistas (CCC), Frente Anticomunista (FAC) e Movimento Anticomunista (MAC); dentro da Faculdade de Filosofia da USP, onde fica a sede da ex-União Estadual dos Estudantes. As duas frentes agrediram-se entre discursos inflamados e pausas esparsas. Ao meio-dia a intensidade da batalha aumentou, porque chegaram os alunos dos cursos da tarde. O Mackenzie mantinha uma vantagem tática - os seus prédios ficam em terreno mais elevado e são cercados por um muro alto. A Faculdade da USP está junto à calçada, num prédio cinzento e velho, com a entrada principal ladeada por colunas de estilo grego e duas portas laterais. A fachada não tem mais que 20 metros. Seu único trunfo: uma saída na Rua Dr. Vila Nova, perpendicular à Maria Antônia, bem defronte à Faculdade de Economia, também da USP. Nessa quarta-feira, uma enfermaria improvisada no banheiro da USP atendeu a seis feridos. Dois alunos do Mackenzie também se machucaram. Na rua, os estudantes da USP apupavam os do Mackenzie: "Nazistas, gorilas!" E os mackenzistas revidavam: "Guerrilheiros fajutos!" às 2 da tarde a reitora do Mackenzie, Esther Figueiredo Ferraz, pediu uma tropa de choque - 30 guardas-civis - para "proteger o patrimônio da escola". Quando a polícia chegou, os estudantes se dispersaram. Houve uma trégua.
TODOS NA DEFESA - Durante a noite as duas escolas discutiram a briga em assembléias. E tanto um grupo como o outro chegou à mesma posição: organizar a defesa para o dia seguinte e só atacar se atacado. A assembléia da USP declarou que não queria lutar contra o Mackenzie, mas contra o CCC. No dia 3, quase às 9 horas da manhã, um grupo de rapazes saiu pelo portão de ferro do Mackenzie, correu até a entrada da Faculdade de Filosofia e arrancou uma faixa suspensa entre as duas colunas. Dizia a faixa: CCC, FAC e MAC = Repressão. E mais abaixo: Filosofia e Mackenzie contra a Ditadura. Os dizeres insinuavam união das duas escolas contra a "ditadura" e as organizações de extrema direita. Ao arrancá-la, os mackenzistas repudiavam a pretendida unidade. E para que isto ficasse bem claro, às 9 e meia tomaram mais duas faixas dos alunos da USP. Foi o fim da trégua. Novamente a pequena rua estremeceu com a explosão de rojões, bombas, tiros, vidraças quebradas por tijolos e barras de ferro. Labaredas de fogo subiam pelas paredes lambendo o rebôco e deixando um rastro negro de fuligem. Guardas civis protegiam o Mackenzie - ainda a pedido da reitora - armados de metralhadoras, fuzis e cassetetes tamanho-família. Luís Travassos e Édson Soares, respectivamente presidente e vice-presidente da ex-UNE, somados a José Dirceu, presidente da ex-UEE, comandavam a resistência da Filosofia.
TODOS NO ATAQUE - Por volta de meio-dia, centenas de curiosos e colegiais que vinham das aulas da manhã aglomeravam-se nos dois extremos da Rua Maria Antônia. Aproveitando a presença dessa platéia, os universitários da USP, com saquinhos de papel na mão, pediam dinheiro "para comprar material de guerra". Grupo de alunas de um colégio próximo subiu num monte de material de construção. Entre elas estava uma menina de quinze anos, com uniforme da quarta série ginasial do colégio "Des Oiseaux" e óculos escuros. Ficou ali quase uma hora, até o instante em que três policiais avançaram sobre um grupo de estudantes que havia lançado pedras contra eles. Um dos policiais puxou o revólver e atirou para o ar. Um aluno da USP jogou-se contra ele, de mãos abertas, forçou o braço do soldado para trás e tentou tomar-lhe o revólver. Dois outros soldados começaram a dar tiros no chão. Um estudante foi ferido na perna: Jorge Antônio Rodrigues, do terceiro ano de Economia. Foi o primeiro choque entre polícia e estudantes na quinta-feira. Um capacete de aço que tombou na luta foi levado como troféu para o interior da Faculdade. Nessa hora, a platéia debandou. A menina de óculos escuros quase levou um tombo. Era a filha do Governador de São Paulo, Roberto de Abreu Sodré. Logo depois, uma sirena gritou na rua. Os estudantes pensavam que a polícia estivesse investindo, mas era uma ambulância que ia buscar o rapaz atingido no rosto por um rojão, aluno do Mackenzie. Nessa escola, alguém ensinava como preparar bombas Molotov (segundo alguns alunos, foram atiradas mais de mil contra os estudantes e o prédio da USP). Nos rojões de vara eram adaptados vidros com gás lacrimogéneo, que iam rebentar no interior das salas da USP. Ácidos de cheiro muito forte e enjoativo eram lançados da mesma maneira. Foram instalados fios elétricos nos portões de ferro e grades do Mackenzie. Quem tocasse ali seria eletrocutado. As vidraças quebradas da USP eram substituídas por tapumes de madeira. Mas a tropa de choque da Faculdade de Filosofia havia acumulado às 14 horas um monte alto de pedras e duzentos rojões. Uma garrafa Molotov estourou sobre os fios de alta tensão que cruzavam a linha de fogo, queimou um deles, e de repente espocaram estalos e faíscas esverdeadas pela rua. Mais correria, mais gritos, mais palavrões. Do Mackenzie saíram bombas de gás lacrimogéneo que detonaram na rua e na entrada da Faculdade de Filosofia. Um edifício em construção, ao lado do Mackenzie, foi ocupado pelos mackenzistas.
DESORDEM, FERIDOS - Boatos e notícias contraditórias circulavam. A polícia invadirá as duas escolas, diziam uns. Outros negavam, mostravam-se mais sabidos: virá o Exército. "Por que seria a polícia? Se ela quisesse, já teria tomado alguma providência. Não iria ficar parada, assistindo de camarote a essa insensatez dos estudantes", dizia um velho, numa esquina. Para o General Sílvio Corrêa de Andrade, chefe do Departamento de Polícia Federal em São Paulo, todas as providências cabiam à polícia do Estado. "O que ocorre na Rua Maria Antônia é desordem, briga, e não manifestação política", dizia ele. Muitos alunos do Mackenzie feriram-se por acaso. Quando corriam por cima dos prédios para escapar das pedradas, sentiam as telhas cederem sob seus pés. Caíam então de uma altura de quase dois metros, desabando no assoalho do último andar. Um quebrou a clavícula, outro o nariz e um terceiro cobriu-se de escoriações. Por volta das 13h30 chegou um carro-tanque com seis bombeiros a pedido dos alunos da USP. Estacionaram na Rua Dr. Vila Nova e começaram o combate aos focos de incêndio que se multiplicavam pelo prédio da Faculdade de Filosofia. José Dirceu soltava frases de efeito: "As violências da direita estão sendo respondidas pela violência organizada do povo e dos estudantes", ou "Vamos esmagar a reação."
DE REPENTE, A MORTE - Perto do edifício em construção, tomado por alunos do Mackenzie, um grupo de secundaristas recolhia pedras para a USP. Na Rua Dr. Vila Nova ecoaram gritos e para lá correram muitos estudantes. Que era? Um aluno da Faculdade de Direito do Mackenzie, João Parisi Filho, halterofilista e desenhista, que teve trabalhos expostos na última Bienal de São Paulo. "Ele é do CCC", comentava-se. Cerca de oitenta estudantes da USP rodearam Parisi berrando: "Lincha! Mata o canalha!" O rapaz tinha um revólver. Tornaram-no. Depois, aos tapas, conduziram Parisi ao prédio da Faculdade de Economia da USP. (Quando à noite esse prédio foi tomado pela Força Pública, o presumível agente do CCC foi detido com os demais estudantes e encaminhado ao DOPS.) O trabalho dos bombeiros não parava. Rojões estouravam intermitentemente na Rua Maria Antônia. Súbito, defronte à Faculdade de Filosofia, um estudante com os braços abertos e quase se ajoelhando na calçada berrou: "Ambulância, ambulância, por favor". E atrás deste vieram mais rapazes carregando um jovem de cabelos pretos que tinha a camisa de linho branco tinta de sangue. Era José Guimarães, aluno do Colégio Marina Cintra, terceira série ginasial, vinte anos. Pintava nas horas vagas. Tinha mãe viúva. Ao passar pela Rua Maria Antônia resolveu ajudar os universitários. Recolhia pedras para a USP. Uma perua dos "Diários Associados" levou-o para o Hospital das Clínicas. Mas José Guimarães morreu no caminho. Na Maria Antônia ele deixou revolta e manchas de sangue. Laudo da autópsia: "A bala é de calibre superior a 38 ou de fuzil. Havia seis ou sete pedaços de chumbo no cérebro. O tiro entrou 1 centímetro acima da orelha direita e saiu à altura da linha mediana da cabeça, atrás, ligeiramente à esquerda. A bala fez um percurso de cima para baixo, em sentido oblíquo". Quem atirou? Ninguém sabe.
A BRIGA PROSSEGUE - Ao saber da morte do estudante secundário, José Dirceu subiu num monte de tijolos, cadeiras, corrimãos de escada e paralelepípedos, que servia de barricada, fez um comécio-relâmpago. "Não é mais possível mantermos militarmente a Faculdade. Não nos interessa continuar aqui lutando contra o CCC, a FAC e o MAC, esses ninhos de gorilas. Um colega nosso foi morto. Vamos às ruas denunciar o massacre. A polícia e o exército de Sodré que fiquem defendendo a fina flor dos fascistas. Viva a UNE, abaixo a reação!" Então concebeu uma nova imagem e desfechou: "Jorge, o rapaz morto, é um segundo Édson Luís (o secundarista que morreu no restaurante do Calabouço, na Guanabara). Vamos às ruas!" Com essa oratória Josá Dirceu conseguiu pôr a maioria dos assistentes em posição de passeata. "Não é Jorge, é Dionísio" cochichou uma estudante à colega. Ninguém sabia direito o nome da vítima. às 3 e meia uma janela se abriu no prédio da USP, e através dela um aluno gritou: "Estão contentes? Vocês já mataram um". Só assim os mackenzistas souberam da morte de um adversário. Também não entenderam a morte. Uns diziam que tinha sido uma bomba Molotov, outros, que foram tiros da polícia. Quem havia morrido não interessava. Toda a atenção deveria voltar-se para a pontaria das pedradas, que continuaram, mesmo depois de oitocentos estudantes da USP saírem em passeata.
QUEIMAR, QUEBRAR - Os estudantes ganharam a cidade em dez minutos. Arrancaram um pano vermelho da traseira de um carro-guincho e com ele fizeram uma bandeira. Em seguida, cercaram um Aero-Willys com chapa branca da Prefeitura Municipal de Santo André (cidade dos arredores de São Pauto), obrigaram o chofer, preto e gordo, a correr, quebraram todos os vidros do automóvel e amassaram a carroceria. Vinte metros adiante, rodearam um Volkswagen da polícia. Com pedaços de ferro nas mãos, dirigiram-se ao motorista: "Com licença, nós vamos pôr fogo no seu carro". O policial abandonou o automóvel e ficou a distância entre os espectadores. Os estudantes tombaram o carro e atearam fogo.
Depois incendiaram um Aero-Willys da Força Pública de São Paulo. Iluminados pelas chamas que subiam a 20 metros de altura, José Dirceu e Édson Soares fizeram discursos "denunciando o assassinato de um colega e oferecendo solidariedade aos bancários que, em greve, resistem à opressão". Aproveitando o congestionamento do trânsito, as moças da passeata dirigiam-se aos automóveis parados, pedindo dinheiro para "a resistência" e anunciando a morte do companheiro. Minutos depois queimavam mais um Volkswagen da polícia. As chamas ameaçavam um ônibus; os passageiros o abandonaram apavorados, enquanto uma perua Rural-Willys da chefia policial era depredada. Do alto de alguns prédios caíam papéis picados. Na Praça da Sá, ponto central de São Paulo, um Aero-Willys da Polícia Federal foi depredado; os transeuntes gritavam, corriam. Uma senhora desmaiou e foi carregada até a Catedral. A passeata dirigiu-se para o Largo de São Francisco, onde fica a Faculdade de Direito, contra a qual foram lançados paus e pedras. José Dirceu fez novo discurso. De lá os estudantes correram para a próxima Praça das Bandeiras, onde surgiu um caminhão com doze homens da Força Pública. Os estudantes fugiram aos gritos. Seis jornalistas foram presos.
É UMA ESTUPIDEZ - Na Rua Maria Antônia a batalha arrefecia. No prédio da USP sobravam poucos estudantes. Algumas partes do teto ruíam. Às 18h30, Luís Travassos, o presidente da ex-UNE, entrou na Faculdade de Economia dizendo: "É preciso desmobilizar isso. Daqui a pouco não temos mais munição, o prédio pode ser invadido, vai ser um massacre." Os mais atirados queriam ir buscar o corpo de José Guimarães. "E que vamos fazer com o corpo aqui dentro?", perguntou Travassos dando de ombros. Às 20h30, José Dirceu apareceu com uma camisa suja de sangue. Subiu numa janela e, cercado por fotógrafos e cinegrafistas, teve um gesto dramático: "Colegas, esta camisa é do nosso companheiro morto pelas forças da repressão. Vamos todos para a Cidade Universitária. Haverá assembléia." Duzentos e quarenta soldados da Força Pública, cem cavalarianos, dois tanques e cinqüenta cães amestrados começaram a chegar na Rua Maria Antônia e vizinhança. O Mackenzie foi ocupado sem problemas, mas alguns estudantes ainda atiravam bombas Molotov contra o velho prédio da USP e pedras caíam sobre os jornalistas que tentavam se aproximar.
Um repórter da "Tribuna da Imprensa" do Rio de Janeiro foi ferido na cabeça. A Faculdade de Filosofia também foi ocupada. Nela estavam apenas alguns professores e alunos, fechados numa sala para redigir um manifesto sobre os acontecimentos. Os mackenzistas cantavam o Hino Nacional e davam vivas. A reitora Esther Figueiredo Ferraz apertou a mão de alguns funcionários e estudantes. E os estudantes gritaram: Vamos tomar uns chopes para comemorar a vitória". E foram beber.
QUEM VENCEU? - Enquanto o corpo de José Guimarães era velado pela mãe, a irmã e o irmão, sob forte proteção policial, enquanto os alunos da USP discutiam o que fazer no dia seguinte e os mackenzistas bebiam, o diretor em exercício da Faculdade de Filosofia, Professor Eurípedes Simões de Paula, observava que "o prédio da Maria Antônia não tem condições de funcionar até o fim do ano". As aulas serão transferidas para a Cidade Universitária. "Já deveriam ter saído antes", observou Erwin Rosenthal, o diretor que vai à Europa. Com isso, o Mackenzie ganhava o domínio da Rua Maria Antônia. A briga entre as duas escolas é muito antiga e cheia de crises. A principal foi em 1964, quando o CCC sentiu-se fortalecido com a mudança de regime e invadiu a Faculdade de Filosofia quebrando vidraças, móveis e espancando estudantes. Em 1966, quando Luís Travassos foi eleito presidente da ex-UEE, repetiu-se a invasão e foi destruída a urna de votação. Em 1967, quando José Dirceu substituiu Travassos, houve outras brigas. Mas há alunos do Mackenzie contrários a seus colegas da chamada "tropa de choque". E na passeata de uma hora feita na tarde de sexta-feira por cerca de 4 mil pessoas em sinal de protesto pela morte de José Guimarães (um protesto contra quem?), apareceu urna faixa: "O Mackenzie se Une às Outras Escolas e Repudia a Colaboração dos Professores na Fabricação de Armas Assassinas". Nessa passeata, que acabou sendo dissolvida a bombas de efeito moral e gás lacrimogéneo, José Dirceu declarou que "a UNE e a UEE derrotaram o CCC, o FAC e o MAC em quatro assembléias lá dentro do Mackenzie". A União das Mães de São Paulo, que apoiou a passeata, pediu aos estudantes que se manifestassem pacificamente. "Violência gera violência", disse a oradora da União. Os estudantes não gostaram da advertência. Um coro interrompeu o discurso: "Povo armado derruba a ditadura", gritaram. A senhora não perdeu a coragem. Uma mocinha deu-lhe apoio: "Muito bem". Mas o estímulo caiu no silêncio. A União das Mães tomou uma decisão na hora: "Retiramos nosso apoio se vocês não fizerem essa passeata pacificamente". Mas não houve paz. Alguns estudantes quebraram vidraças do First National City Bank, outros viraram e queimaram um carro. Às 20 horas - duas horas após o desbaratamento da manifestação -, uma perua da Força Pública foi atacada num ponto distante do roteiro da passeata. Luís Travassos e José Dirceu estavam cansados e unidos. A camisa manchada com o sangue de José Guimarães foi carregada como um estandarte. Ninguém - exceto parentes e policiais - pôde ir ao enterro do moço assassinado numa batalha absurda. O sepultamento marcado para as 16 horas de sexta-feira foi às 13 horas, no Cemitério do ?Araçá?. Os moços da ex-UNE querem fazer dessa morte um caso político de repercussão nacional e anunciam mais passeatas. A que pode servir tudo isso? O irmão do morto diz que talvez sirva a alguma coisa, um dia. Que coisa?
submitted by LamedVavnik to brasil [link] [comments]


2019.06.20 03:25 euamocachorros79 É Brasil

Acorda e lá fora está escuro. Os galos da vizinhança ainda não cantaram, o som mais próximo perceptível, baixo ainda, é a confusão amalgamada das estações de música sertaneja e notícias daqueles que acordaram mais cedo. Desliga o alarme do despertador mas o de dentro da cabeça ainda ecoa, a mulher nega o beijo, novamente, e negará até ele tratar de desfazer o mau hálito matinal. Passa o café no coador de pano enquanto esfrega os olhos, catando remelas. Mais uma vez não tem pão. As crianças provavelmente estavam com mais fome ontem à noite. O café preto aliado ao pensar nas crianças o deixa mais alerta. A maior já está precisando de roupa nova, quase não cabe no vestido de chita que a mulher costurou no curso do sindicato. Sorri ao pensar nos dois meninos, ainda moleques e arteiros mas que agora dormem à espera de um novo dia na escola. Lembra que ainda não escovou os dentes e precisa correr para não se atrasar após a higiene.
A gente quer valer o nosso amor.
Ônibus, duas conduções. Baldeação. A camiseta pinica. Hoje está quente. A marmita com arroz, feijão e farofa, sacoleja na mochila. A indicação do primo é certeira. A construção está nas fundações, trabalho pra mais de ano, talvez dois, com sorte, três. Não pode deixar passar a oportunidade. Foi o presidente quem falou, com sotaque carregado igual ao seu. Homem correto, quer matar os corruptos. Talvez assim as coisas melhorem no país. Se pudesse, mataria também, mas pra isso já tem a polícia e os bandidos. Melhor sujar as mãos com argamassa do que com sangue.
- João da Silva, sim senhor. Eu vim por causa da vaga de servente. Preciso do trabalho, sim senhor. Não tenho documento não, sempre trabalhei por conta, sabe? E paga quanto? É justo, sim senhor.
Antecipa a felicidade da mulher e das crianças ao saber que o pagamento será semanal. Começa amanhã. Na volta para casa, carrega uniforme, botina e EPI que ganhou. O capataz falou que ali todo mundo usa, quem for pego sem, nem precisa voltar no dia seguinte. E sem direito a nada. João sabe que todo capataz fala isso, mas ninguém fiscaliza, ainda mais em obra grande, onde o que importa é fazer o serviço direito e não aparecer bêbado.
-Sim senhor.
A gente quer valer nosso suor.
As crianças chegam juntas em casa, depois da aula, um pouco antes do dia começar a trilhar o caminho entre as cores vivas e o preto. Pede para a filha mais velha ajudar com o banho e o lanche dos menores. Ao chegarem na cozinha, percebem que hoje tem banana, pão, margarina, queijo e até mortadela. A filha sorri orgulhosa para o pai herói. Os meninos comem até arrotar. Todos riem da balbúrdia.
A mãe chega exausta, dia puxado nas faxinas, de manhã num apartamento, à tarde numa casa. A dona do apartamento não pagou, diz que semana que vem acerta. Pelo menos, permitiu que ela almoçasse o que sobrara da refeição. O dono da casa não comprou os panos e material de limpeza corretos. Homem nunca faz as coisas direito. Ela só quer descansar ao chegar em casa, mas ainda tem que lidar com a algazarra que vem da cozinha. O coração quase explode ao saber que o marido conseguiu o trabalho. Beija-o sem se importar com a halitose.
A gente quer valer o nosso humor.
No dia seguinte, Janete só espera a saída de João para reabrir a conta no mercado da esquina. Abastece a despensa com óleo, vinagre, sardinha em lata, macarrão, biscoitos, feijão, arroz, sal e açúcar. Guarda tudo e torce para que o marido, dessa vez, seja honrado, homem com agá maiúsculo, que cuide dela e da prole. Pela manhã, coloca-se a arrumar e limpar a casa, no intuito de esperar o marido com carne na panela para o jantar. À tarde, trabalha com o coração cheio de esperanças. Quem sabe não poderiam comprar uma máquina de lavar roupas, uma televisão para assistir à novela e entreter os meninos, quiçá uma casa, para livrarem-se do aluguel. Janete mostra os dentes alvos ao esfregar a louça dos banheiros e ao passar o pano no chão de porcelanato. Seu humor não poderia ser perturbado nem mesmo pelos tarados que insistem em se aproximar por trás, no trem, na ânsia de sentir suas nádegas. Os cotovelos duros e pontiagudos a protegem.
A gente quer do bom e do melhor.
João nunca soube ler. Aprendeu a fazer contas depois que lhe ensinaram o poder do dinheiro. Ouviu na rua, de um amigo, que com dinheiro se comprava mulher, carro, casa, comida. Intrigado pelo cheiro doce que emanava das meninas e pelas promessas de barriga cheia, procurou arranjar grana o quanto antes. Tentou roubar, mas sentiu culpa. Tentou o comércio mas não sabia vender, nem se expressar de um jeito bonito ou interessante. Até que viu um pedreiro erguendo uma parede. Uma pena ninguém ter ensinado a fazer dinheiro de outro jeito que não através do trabalho. Mas as coisas são o que são.
Trabalhava tanto quanto o corpo deixava. O esforço o transformou num jovem adulto vigoroso e começou a atrair olhares longos das meninas da vizinhança. Não demorou muito para se apaixonar por Janete. O sexo era bom e praticamente o único bálsamo numa vida destinada à dor e ao trabalho. Isso aliado à ignorância acerca de métodos contraceptivos, ele sempre tentava tirar antes de gozar, resultara em três crianças, muito amadas, mas que também precisavam ser cuidadas.
A gente quer carinho e atenção.
As primeiras semanas são de muita labuta e também de grandes mudanças na família Silva. João traz o pagamento inteiro e, sem retirar uma nota, entrega-o à esposa. Mariele, a filha mais velha, exibe um traje novo, de sair aos domingos, que consiste em uma calça justa e uma blusa leve de algodão. Ronaldo e Washington ganham uma bola de futebol de couro, raridade entre a turma do bairro. Aos sábados, João bebe cerveja por somente duas horas, enquanto ouve no rádio seu time disputar a segunda divisão nacional. Janete brilha por dentro ao mostrar para as vizinhas e amigas o fogareiro novo, adquirido em dez prestações, onde prepara o cardápio de casa e as marmitas de João.
Pela primeira vez em meses, não precisam do seguro-desemprego de Janete para fechar as contas. O casal sai para dançar aos domingos, na gafieira, e até as crianças, melhor nutridas, aprendem mais e aumentam as notas. A casa onde moram ganha contornos de lar.
A gente quer calor no coração.
Se antes, quando mal podia segurar as calças para que os fundilhos não ficassem expostos, João era alvo da lascívia das vizinhas, agora então é que recebe piadinhas e indiretas sobre comer fora de casa. Mas Janete é sábia nas lidas do prazer e o trata como um rei, com tanto carinho e cuidado na hora de amar, que ele nem imagina estar entre os lençóis com outra mulher. Não, Janete conhece seus pontos de pressão, onde deve tocar e com qual parte do corpo, para que João retorça os dedos dos pés. Quando satisfeito, se entrega a chupar com gosto os seios de Janete, enquanto passeia com os dedos pelo corpo teso da esposa. Dedicado que é, só para quando a mulher não consegue abafar os gritos de delírio.
A gente quer suar mas de prazer.
Faltando pouco menos de um ano para as eleições gerais, estoura um escândalo de superfaturamento de obras, envolvendo empreiteiras e o governo federal. João ouve apreensivo as notícias mencionarem o nome da empresa para qual presta serviços. Na manhã seguinte, refaz o trajeto que nos últimos três anos garantiu o sustento à família. Ao caminhar as poucas quadras que separam a parada do ônibus e o local de trabalho, sente uma agonia inexplicável no peito. A agonia deixa de incomodá-lo para ceder lugar à tristeza ao ver os portões da obra trancados. Um cartaz afixado à lateral da entrada explica, em letras miúdas, a intervenção da Polícia Federal, Ministério Público Federal e Tribunal de Contas da União. Mas João não sabe ler.
A gente quer viver uma nação
A gente quer é ser um cidadão
submitted by euamocachorros79 to brasil [link] [comments]


2019.06.19 20:22 euamocachorros79 [DQ] É Brasil

Acorda e lá fora está escuro. Os galos da vizinhança ainda não cantaram, o som mais próximo perceptível, baixo ainda, é a confusão amalgamada das estações de música sertaneja e notícias daqueles que acordaram mais cedo. Desliga o alarme do despertador mas o de dentro da cabeça ainda ecoa, a mulher nega o beijo, novamente, e negará até ele tratar de desfazer o mau hálito matinal. Passa o café no coador de pano enquanto esfrega os olhos, catando remelas. Mais uma vez não tem pão. As crianças provavelmente estavam com mais fome ontem à noite. O café preto aliado ao pensar nas crianças o deixa mais alerta. A maior já está precisando de roupa nova, quase não cabe no vestido de chita que a mulher costurou no curso do sindicato. Sorri ao pensar nos dois meninos, ainda moleques e arteiros mas que agora dormem à espera de um novo dia na escola. Lembra que ainda não escovou os dentes e precisa correr para não se atrasar após a higiene.
A gente quer valer o nosso amor.
Ônibus, duas conduções. Baldeação. A camiseta pinica. Hoje está quente. A marmita com arroz, feijão e farofa, sacoleja na mochila. A indicação do primo é certeira. A construção está nas fundações, trabalho pra mais de ano, talvez dois, com sorte, três. Não pode deixar passar a oportunidade. Foi o presidente quem falou, com sotaque carregado igual ao seu. Homem correto, quer matar os corruptos. Talvez assim as coisas melhorem no país. Se pudesse, mataria também, mas pra isso já tem a polícia e os bandidos. Melhor sujar as mãos com argamassa do que com sangue.
- João da Silva, sim senhor. Eu vim por causa da vaga de servente. Preciso do trabalho, sim senhor. Não tenho documento não, sempre trabalhei por conta, sabe? E paga quanto? É justo, sim senhor.
Antecipa a felicidade da mulher e das crianças ao saber que o pagamento será semanal. Começa amanhã. Na volta para casa, carrega uniforme, botina e EPI que ganhou. O capataz falou que ali todo mundo usa, quem for pego sem, nem precisa voltar no dia seguinte. E sem direito a nada. João sabe que todo capataz fala isso, mas ninguém fiscaliza, ainda mais em obra grande, onde o que importa é fazer o serviço direito e não aparecer bêbado.
-Sim senhor.
A gente quer valer nosso suor.
As crianças chegam juntas em casa, depois da aula, um pouco antes do dia começar a trilhar o caminho entre as cores vivas e o preto. Pede para a filha mais velha ajudar com o banho e o lanche dos menores. Ao chegarem na cozinha, percebem que hoje tem banana, pão, margarina, queijo e até mortadela. A filha sorri orgulhosa para o pai herói. Os meninos comem até arrotar. Todos riem da balbúrdia.
A mãe chega exausta, dia puxado nas faxinas, de manhã num apartamento, à tarde numa casa. A dona do apartamento não pagou, diz que semana que vem acerta. Pelo menos, permitiu que ela almoçasse o que sobrara da refeição. O dono da casa não comprou os panos e material de limpeza corretos. Homem nunca faz as coisas direito. Ela só quer descansar ao chegar em casa, mas ainda tem que lidar com a algazarra que vem da cozinha. O coração quase explode ao saber que o marido conseguiu o trabalho. Beija-o sem se importar com a halitose.
A gente quer valer o nosso humor.
No dia seguinte, Janete só espera a saída de João para reabrir a conta no mercado da esquina. Abastece a despensa com óleo, vinagre, sardinha em lata, macarrão, biscoitos, feijão, arroz, sal e açúcar. Guarda tudo e torce para que o marido, dessa vez, seja honrado, homem com agá maiúsculo, que cuide dela e da prole. Pela manhã, coloca-se a arrumar e limpar a casa, no intuito de esperar o marido com carne na panela para o jantar. À tarde, trabalha com o coração cheio de esperanças. Quem sabe não poderiam comprar uma máquina de lavar roupas, uma televisão para assistir à novela e entreter os meninos, quiçá uma casa, para livrarem-se do aluguel. Janete mostra os dentes alvos ao esfregar a louça dos banheiros e ao passar o pano no chão de porcelanato. Seu humor não poderia ser perturbado nem mesmo pelos tarados que insistem em se aproximar por trás, no trem, na ânsia de sentir suas nádegas. Os cotovelos duros e pontiagudos a protegem.
A gente quer do bom e do melhor.
João nunca soube ler. Aprendeu a fazer contas depois que lhe ensinaram o poder do dinheiro. Ouviu na rua, de um amigo, que com dinheiro se comprava mulher, carro, casa, comida. Intrigado pelo cheiro doce que emanava das meninas e pelas promessas de barriga cheia, procurou arranjar grana o quanto antes. Tentou roubar, mas sentiu culpa. Tentou o comércio mas não sabia vender, nem se expressar de um jeito bonito ou interessante. Até que viu um pedreiro erguendo uma parede. Uma pena ninguém ter ensinado a fazer dinheiro de outro jeito que não através do trabalho. Mas as coisas são o que são.
Trabalhava tanto quanto o corpo deixava. O esforço o transformou num jovem adulto vigoroso e começou a atrair olhares longos das meninas da vizinhança. Não demorou muito para se apaixonar por Janete. O sexo era bom e praticamente o único bálsamo numa vida destinada à dor e ao trabalho. Isso aliado à ignorância acerca de métodos contraceptivos, ele sempre tentava tirar antes de gozar, resultara em três crianças, muito amadas, mas que também precisavam ser cuidadas.
A gente quer carinho e atenção.
As primeiras semanas são de muita labuta e também de grandes mudanças na família Silva. João traz o pagamento inteiro e, sem retirar uma nota, entrega-o à esposa. Mariele, a filha mais velha, exibe um traje novo, de sair aos domingos, que consiste em uma calça justa e uma blusa leve de algodão. Ronaldo e Washington ganham uma bola de futebol de couro, raridade entre a turma do bairro. Aos sábados, João bebe cerveja por somente duas horas, enquanto ouve no rádio seu time disputar a segunda divisão nacional. Janete brilha por dentro ao mostrar para as vizinhas e amigas o fogareiro novo, adquirido em dez prestações, onde prepara o cardápio de casa e as marmitas de João.
Pela primeira vez em meses, não precisam do seguro-desemprego de Janete para fechar as contas. O casal sai para dançar aos domingos, na gafieira, e até as crianças, melhor nutridas, aprendem mais e aumentam as notas. A casa onde moram ganha contornos de lar.
A gente quer calor no coração.
Se antes, quando mal podia segurar as calças para que os fundilhos não ficassem expostos, João era alvo da lascívia das vizinhas, agora então é que recebe piadinhas e indiretas sobre comer fora de casa. Mas Janete é sábia nas lidas do prazer e o trata como um rei, com tanto carinho e cuidado na hora de amar, que ele nem imagina estar entre os lençóis com outra mulher. Não, Janete conhece seus pontos de pressão, onde deve tocar e com qual parte do corpo, para que João retorça os dedos dos pés. Quando satisfeito, se entrega a chupar com gosto os seios de Janete, enquanto passeia com os dedos pelo corpo teso da esposa. Dedicado que é, só para quando a mulher não consegue abafar os gritos de delírio.
A gente quer suar mas de prazer.
Faltando pouco menos de um ano para as eleições gerais, estoura um escândalo de superfaturamento de obras, envolvendo empreiteiras e o governo federal. João ouve apreensivo as notícias mencionarem o nome da empresa para qual presta serviços. Na manhã seguinte, refaz o trajeto que nos últimos três anos garantiu o sustento à família. Ao caminhar as poucas quadras que separam a parada do ônibus e o local de trabalho, sente uma agonia inexplicável no peito. A agonia deixa de incomodá-lo para ceder lugar à tristeza ao ver os portões da obra trancados. Um cartaz afixado à lateral da entrada explica, em letras miúdas, a intervenção da Polícia Federal, Ministério Público Federal e Tribunal de Contas da União. Mas João não sabe ler.
A gente quer viver uma nação
A gente quer é ser um cidadão
submitted by euamocachorros79 to EscritoresBrasil [link] [comments]


2017.12.28 17:57 brucewaynedosuburbio Oi, Reddit. Hoje me pagaram R$ 2 mil para stalkear e descobrir tudo sobre uma pessoa. Segue meu relato de como fiz isso :)

EDIT MAIS IMPORTANTE: não me desafiem :)
EDIT IMPORTANTE: galera, comecei a receber várias mensagens de pessoas interessadas e pedindo ajudaa para encontrar amigos e amores do passado. Eu não sou profissional nisso e fiz isso como hobby, não depositem suas fichas em mim não, rs.
E outra: vou viajar agora no Ano Novo e ficar um tempo fora. Então não devo responder mais nada por aqui por um tempo. Quando voltar, vejo mensagem por mensagem e se posso ajudar ou não.
Voltando ao post original
Eu trabalho com marketing digital e sempre fui bom em caçar pessoas. Fazia isso no trabalho direito a ponto de se tornar um hobby. Brotou um cliente novo? Eu usava meus recursos para descobrir tudo o que podia sobre ele: endereço, estado civil, mídias sociais, processos, relacionamentos e por aí vai.
Isso me fez descobrir coisas interessantes. Como uma pessoa que entrevistamos para o trabalho era um bolsominion expulso da Polícia Militar acusado de assassinato (surpreendentemente absolvido, apesar de tudo apontar contra ele e seus colegas e ter até matéria de jornal sobre isso). Que o novo namorado de uma colega de trabalho frequentava um fórum de acompanhantes e tinha um perfil fake para manter contato com as primas. Que uma funcionária daqui abriu uma empresa no nome do marido e estava usando informações privilegiadas nossas para concorrer conosco em pequenas licitações.
Minha fama acabou crescendo um pouquinho até chegar em um amigo de um colega de trabalho. A missão que ele me passou? Encontrar um amor dele do segundo grau. Achei meio obsessivo, mas o cara me disse que só queria saber como ela estava, como eles haviam perdido completamente o contato por terem se formado ainda nos anos 90, sem os benefícios da internet e tal. Ele tentou contratar uma firma de detetives, mas os caras não descobriram nada com as informações que ele passou. E ele ainda morreu uma grana boa com eles.
Ele veio falar comigo e pensei, por que não? Como nunca tinha feito isso na vida, ofereci receber APENAS se descobrisse alguma coisa, apesar de geralmente rolar um adiantamento nesses casos. Segue como fiz.
Disclaimer importante: nada aqui é garantia de que vocês terão algum resultado seguindo essas dicas. Algumas pessoas têm uma pegada digital ínfima por conta da idade ou da natureza de seus afazeres profissionais/acadêmicos.
Informações que recebi: primeiro nome, um dos sobrenomes, bairro onde a pessoa morava e supostamente ainda morava, uma foto dessa pessoa no fim dos anos 2000 em uma reunião de ex-alunos dessa escola. Ele também sabia que a pessoa em questão fazia aniversário em maio. Ele desconfiava que ela havia passado para algum curso de Letras de faculdade pública do Rio de Janeiro ainda no fim dos anos 90.
Primeira fonte: o Facebook: perguntei ao cara se ele conhecia alguém de confiança que morasse no mesmo bairro que ela. Ele tinha. Essa pessoa me cedeu sua senha e login no Facebook temporariamente para ajudar na busca. A combinação de nome + sobrenome que ele tinha não dava resultado algum. Provavelmente ela usava outro sobrenome.
Aqui eu tinha duas alternativas: a mais correta, que era pegar esses dois nomes que ele tinha e consultar o registro de aprovados no curso de letras nos anos que ele indicou (1998/1999) ou visitar a antiga escola dela. Seria o método mais fácil para descobrir o nome completo dela, mas também me tomaria tempo e gasto de ficar indo fisicamente nas universidades e na escola para consultar esses registros. Eu não queria tirar a bunda da cadeira, então foi na força bruta.
Eu chutei algumas dezenas de sobrenomes. Comecei calculando o numero de perfis que acessei numa única manhã e parei de contar quanto já estava na casa dos 200. Acho que estava na casa dos 300 quando encontrei pela foto.
Páginas curtidas, fotos curtidas pela pessoa: vamos chamar a pessoa de Karen. Karen tinha um Facebook bem monótono. Parcialmente fechado, com menos de 200 amigos e pouquíssima atividade. Isso é um empecilho fodido, mas vamos lá: com a user ID dela, você consegue checar as fotos que ela curtiu a partir do link https://www.facebook.com/search/INSERIR_NÚMERO_DA_ID_AQUI/photos-liked . Também acompanhei as curtidas dela.
Assim, descobri que ela era espírita e seguia as páginas de alguns centros espíritas. Nos comentários de fotos dela - as poucas abertas - vi pessoas mencionando encontrá-la no tal centro espírita, mas sem mencionar o nome dele. Chequei as fanpages de todos os centros e revirei as fotos dos eventos até descobrir que não só ela era membro assídua de um deles, mas também era médium de um deles. Consegui até para ele os horários em que ela atendia no centro.
Pelas páginas curtidas, também descobri um bocado sobre ela: que ela tinha um filho, que ela era espírita e de esquerda, que ela fora abandonada pelo marido. que seguia várias páginas de concurseiros, que gostava de ler literatura hot, que aparentemente sofria de depressão.
Nosso amigo Google: sabendo o primeiro nome dela, o sobrenome que esse cliente lembrava e o que ela usava no Facebook, juntei os três para fazer algumas combinações de pesquisa no Google. Sempre usando aspas e tentando fazer diferentes buscas.
"Karen" "Santos" "Amoedo"
"Karen dos Santos" "Amoedo"
"Karen Amoedo" "Dos santos"
Como eu sabia o ano aproximado em que ela nasceu e o suposto mês, jogava a data junto também com um dia aleatório: "13/05/198X".
Não demorou muito para rolar o bingo. Karen dos Santos Souza Amoedo, nascida em 24/05/198X. A informação veio na lista de aprovados de um concurso público de alguns anos atrás.
A partir daí, foi uma chuva de resultados. Descobri as exonerações e contratações dela em diferentes cargos federais e estaduais por conta dos Diários Oficiais, que ela foi assistente administrativa em uma faculdade daqui por alguns anos, passou em outro concurso e migrou para outra instituição.
A partir dos editais de cada concurso e o LoveMondays, identifiquei também o salário estimado que ela ganhava em cada um deles sem grandes dificuldades.
O Google retorna muita coisa boa. Registros em cartório, processos, empresas no seu nome, uma caralhada de coisa. Numa dessas buscas, encontrei o perfil dela no Youtube, que era aberto e tinha várias informações de coisas que ela gostava: hobbies, canais sobre depressão e espiritismo, plano de estudos para concursos públicos e por aí vai.
CPF é seu amigo
Hoje, é muito fácil no Brasil você consultar informações de pessoas por CPF em sites como o CC Fácil. Seu próximo passo então é descobrir o CPF da pessoa em questão.
Aqui é muito 8 ou 80. Muita gente tem o CPF largado pela internet por milhões de razões: alguma citação em ação judicial, diário oficial, burrice, uns bancos cadastrais que se encontram por aí. O meu, por exemplo, não está disponível em lugar algum.
No caso dessa pessoa em questão, jogar o "Karen dos Santos Souza Amoedo" (lembrando que o nome é fictício :) ) rendeu algumas dezenas de resultados e, num deles, havia o CPF da pessoa em questão. Fui lá eu no CC Fácil fazer a consulta.
Tem duas coisas SUPER importantes sobre o CCFácil:
O resultado? O endereço de casado dela, o atual endereço, o celular, o telefone fixo, alguns detalhes sobre a vida financeira dela.
A interpretação das informações: só nessa brincadeira aí já estava terminado o serviço, mas decidi ir mais a fundo e ver o que mais conseguia descobrir. Muita coisa é subjetiva e fruto de algumas migalhas de informação que a gente precisa interpretar, é quase como contar uma história mesmo.
Eu consegui acertar o perfil básico dela quase que por inteiro. A conclusão que cheguei foi que Karen casou-se com 20 e poucos anos, teve um filho e se separou em algum momento. Não consegui descobrir o nome do cônjuge, mas acho que poderia ter ido mais longe se recorresse aos cartórios da região. A depressão veio depois da separação, aparentemente com o filho ainda pequeno (hoje adolescente).
Pela descrição que ele me deu, ela parecia pouquíssimo religiosa nos tempos de escola. Concluí que a religião foi a forma que ela encontrou de enfrentar a depressão. Ela jamais exerceu a profissão pela qual se formou, se limitando a fazer vários concursos públicos para assistente administrativo, sempre mirando bem baixo. O salário mais alto da carreira dela foi R$ 2700~R$3100, já com as gratificações inclusas, pelo que consegui achar.
Ela conseguiu manter o peso após a gravidez, pelas fotos que encontrei. Mas a separação e a possível depressão fizeram ela engordar bastante. Ela também seguia várias páginas de comida orgânica e dietas saudáveis, mas não parecia estar fazendo muito efeito.
O que mais consegui?: liguei para a entidade pública onde ela trabalhava me identificando como funcionário dos Correios. Queria confirmar o endereço dela e a unidade daquela repartição onde ela trabalhava, já que era uma instituição bem grande. Falei que tinha uma encomenda no nome dela como endereço errado e que seria devolvido ao remetente, mas que aquele era o único telefone de contato. Nego se desdobrou e conseguiu me passar exatamente onde ela trabalhava e o ramal dela. Essa instituição tem várias unidades diferentes espalhadas pela cidade.
Queria confirmar o endereço que havia descoberto pelo CPF, mas também quis testar a ingenuidade dela. Dei outro endereço próximo no bairro em que ela mora, dei o nome do remetente como uma loja de apostilas de concursos públicos (com base nos interesses dela que escavei). Ela acreditou na hora e me passou o endereço certo, confirmando o segundo endereço que recebi na consulta da CC Fácil. Talvez o primeiro fosse dos tempos de casada.
Além disso tudo, com uma foto taggeada de uma amiga, descobri a escola onde o filho dela estuda. E que ele é meio geek/otaku (imagina se o cara tá no sub, hehe).
Acertei tudo? Da minha interpretação, só errei o espiritismo como válvula de escape para a depressão após o fim do casamento. Na verdade, o espiritismo foi a resposta que ela encontrou para a morte do pai há alguns anos.
Por que estou postando isso aqui?
Várias razões:
Sim, é meio creepy. Bem creepy, na verdade. Mas eu fiquei satisfeito com o resultado e espero que os dois se deem bem. E que ele não seja um psicopata ou mate ela, senão vou ficar com uma dor na consciência fodida. Mas pelo menos ganhei R$ 2 mil por basicamente um dia de trabalho :)
Vai funcionar comigo?
Aí vai um depende gigantesco, como eu disse lá em cima. Eu tenho uma vida bem ativa nas redes sociais e me recrimino por isso. É bem fácil saber bastante sobre mim e descobrir coisa sobre a minha vida. Mas a minha esposa, por exemplo, tem uma pegada digital mínima. Trabalha na iniciativa privada, em uma empresa pequena, não tem empresas no seu nome, não faz concursos públicos, não tem uma profissão que coloque o nome dela na internet repetidamente, não é chegada às redes sociais.
Se meu alvo em questão fosse a minha esposa, provavelmente eu não conseguiria porra nenhuma. Minha dica? Se vocês têm algo comprometedor e querem esconder, ou até simplesmente querem proteger sua privacidade, comecem a buscar essas informações sobre vocês disponíveis por aí e apaguem elas. Se você quer encontrar alguém, é só ser perseverante. A internet é um mar de informação.
submitted by brucewaynedosuburbio to brasil [link] [comments]